Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

IPC da Ufla tem 3ª queda em agosto

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Quinta, 03 Setembro 2009 17:00 | Última Atualização: Quinta, 03 Setembro 2009 17:00
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), calculado pelo Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA), registrou, pela terceira vez no ano, queda, na média geral, dos preços pesquisados, ou seja, “deflação”. Explica o prof. Ricardo Reis, coordenador da pesquisa, que “deflação é o inverso da inflação, não implicando que os preços de todos os produtos e serviços que compõem o índice tenham caído. Na deflação, o que cai é a média dos preços pesquisados, conforme sua ponderação (cada preço tem um peso no IPC).

 

Em agosto, a deflação foi de 0,06%; no mês de março, a taxa de inflação foi negativa em 0,19% e no último mês, queda de 0,25%. No acumulado do ano, o IPC da UFLA está em 2,38%; no mesmo período em 2008 (janeiro a agosto), o índice já tinha atingido 5,07%.

 

Ao contrário dos meses anteriores, quando as quedas da inflação ficaram localizadas nos alimentos, em agosto a deflação foi provocada pelos grupos vestuário e bens de consumo duráveis (eletroeletrônicos, eletrodomésticos, móveis e informática), cujos preços caíram, respectivamente, 0,63% e 0,85%. Na categoria “vestuário”, a liquidações de inverno puxaram o índice para baixo, e entre os itens que compõem o grupo “bens de consumo duráveis”, os eletrodomésticos ficaram mais baratos no mês, 0,12% e os móveis, queda de 0,86%.

 

Os alimentos tiveram uma ligeira alta em agosto, revertendo às quedas dos últimos meses, ficando mais caros, em média, para o consumidor, 0,01%. Mas os alimentos básicos continuam com a tendência de queda, como o arroz (-2,06%), o feijão (-1,56%), a carne suína (-2,31%) e a carne bovina, queda de (0,78%). Já os produtos industrializados ficaram mais caros no mês 0,29%, principalmente, o açúcar (1,9%), os temperos (3,64%), o café (3,27%), o pão (3,49%) e a maionese, com alta de 3,56%. Em agosto, os produtos in natura ficaram mais baratos 0,06%, localizados principalmente nos preços da alface, da couve, da fiúza, do quiabo e da banana.

 

Com isso, o custo da cesta básica de alimentos para uma família de quatro pessoas continua mantendo tendência de queda. Em agosto, seu valor foi de R$348,55, contra uma despesa de R$350,15 em julho, ficando mais barata no mês 0,45%. No ano, a cesta de alimentos acumula uma queda de 6,24%. 

 

Os demais grupos pesquisados pelo DAE/UFLA tiveram as seguintes variações de preços em agosto: bebidas (0,16%); material de limpeza (2,43%) e higiene pessoal (0,23%). As demais categorias mantiveram, na média, seus preços estáveis: despesas com serviços gerais (água, luz, telefone e gás de cozinha), educação e saúde, moradia, gastos com transporte e com lazer.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.