Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

VII Simpósio de Controle de Doenças de Plantas

A Universidade Federal de Lavras (Ufla) realiza o VII Simpósio de Controle de Doenças de Plantas, que tem como tema “Manejo Integrado de Doenças de Fruteiras”.

Organizado pelo Núcleo de Estudos em Fitopatologia (Nefit), o evento irá até o dia 22 de novembro, no Salão de Convenções e conta com a presença de pró-reitores, coordenadores de cursos e programas, chefes de departamentos, professores, técnicos administrativos, estudantes de graduação e de pós-graduação, pesquisadores, consultores e extensionistas.

A fruticultura é um dos segmentos da economia brasileira mais destacados e em contínua evolução. Atende um mercado interno em constante crescimento, e, a cada dia, vem ganhando espaço no mercado internacional, com frutas tropicais, subtropicais e de clima temperado, aumentando o volume das exportações, o número de empresas exportadoras, as variedades de frutas e os produtos delas originados, e os países de destino das exportações. A diversidade de climas encontrada no Brasil, permite o cultivo de praticamente todas as espécies frutíferas domesticadas, incentivando o investimento público e privado neste setor, em novas regiões antes sem expressão para a fruticultura. Entretanto, para o sucesso da atividade, vários desafios têm que ser superados, dentre eles o manejo de doenças de plantas, que abrange desde a obtenção de mudas sadias, até os tratamentos em pós-colheita. As novas metas na era da produção integrada de frutas são produzir com qualidade, com redução do uso de agroquímicos, e quando da utilização destes, fazendo-se a opção pelos menos tóxicos, com o objetivo de reduzir a contaminação ambiental e a preservação da saúde da população, buscando com o emprego de métodos menos agressivos ao ambiente, alcançar a sustentabilidade do sistema. Assim, em sua sétima edição, o Simpósio de Controle de Doenças de Plantas abordará os aspectos relevantes da diagnose e controle das principais doenças de fruteiras temperadas, tropicais e citros, contribuindo para a difusão de conhecimentos já alcançados no âmbito da fruticultura pelos pesquisadores das principais instituições públicas e privadas nacionais, especialistas para as doenças das principais fruteiras cultivadas em nosso país.

Segundo a Comissão Organizadora o VII Simpósio tem o objetivo à aquisição e atualização dos conhecimentos a respeito do tema manejo integrado de doenças em fruteiras, abordando tanto as culturas de clima temperado como as de clima tropical. Espera-se com isto divulgar resultados de pesquisas que vêm sendo desenvolvidas com tais culturas, para os mais diversos patógenos, nas universidades e institutos de pesquisa e iniciativa privada; congregar interessados no manejo integrado de doenças nestas culturas e promover a troca de conhecimentos entre estudantes, pesquisadores e profissionais da área (consultores, extensionistas e produtores rurais).

Para compor a mesa de honra foram convidados Ricardo Pereira Reis, reitor em exercício; Joel Augusto Muniz, pró-reitor de pós-graduação; Rubens José Guimarães, pró-reitor de extensão; Ricardo Magela de Souza, chefe do Departamento de Fitopatologia; Eduardo Alves, coordenador do Curso de Pós-Graduação em Fitopatologia; Mário Lúcio Vilella Resende, coordenador-geral do Simpósio e Flávio Henrique Vasconcelos de Medeiros, coordenador do Núcleo de Estudos em Fitopatologia.

O evento contou com apoiadores e patrocinadores, como: Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais – Fapemig, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão – Faepe, Capes, Net Lab, Casa do Monitor, MDA Pesquisa, Papelaria Tradição e Brasil.Com Informática.

A primeira palestra foi proferida pelo professor Adimilson Bosco Chitarra, intitulada “Desafios na pós-colheita de fruteiras”.