Ir direto para menu de acessibilidade.
Receita Federal

Novo projeto da UFLA em parceria com a Receita Federal prevê a descaracterização de TV Box apreeendidas

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Quarta, 27 Outubro 2021 17:17 | Última Atualização: Sexta, 29 Outubro 2021 13:47 | Acessos: 1157
UFLA e membros da Receita Federal

Em mais uma parceria inovadora com a Receita Federal, a Universidade Federal de Lavras (UFLA), juntamente com outras sete instituições que fazem parte do projeto “Além do Horizonte”, irá desenvolver soluções para a destinação de milhares de equipamentos de TV Box apreendidos todos os anos em operações contra produtos eletrônicos pirateados.

A TV Box utiliza um sistema operacional inteligente que desbloqueia TV via satélite. Os equipamentos ilegais que entram no Brasil são modificados na fábrica para receber o sinal de canais de TV por assinatura ou plataformas de streaming restritas, de forma ilegal. Após a descaracterização das peças, as instituições parceiras poderão desenvolver projetos para a reabilitação humana, gravador de imagens de vídeo para monitoramento de segurança, sistema de câmera corporal (bodycam), sistema de câmeras em viaturas (drivecam) e sistema de atendimento para o Sistema Único de Saúde.

O reitor em exercício da UFLA, professor Valter Carvalho de Andrade Júnior, lembra que as parcerias entre instituições públicas só trazem benefícios à sociedade. “Somos instituições públicas e que muitas vezes não conversamos. Para que isso ocorra são necessárias iniciativas e, portanto, precisamos de pessoas. Esse projeto pode abrir portas para diferentes áreas do conhecimento. Este é apenas o início. Podemos avaliar juntos qualquer demanda da Receita. Estamos abertos a buscar soluções; além disso, é preciso integrar as universidades a outros órgãos públicos em torno de um objetivo comum, em prol dos cidadãos”.

O subsecretário de Gestão Corporativa da Receita Federal do Brasil, auditor-fiscal Moacyr Mondardo Junior, disse estar motivado com a parceria feita com a UFLA, e acredita que ainda há um grande potencial a ser desenvolvido. “A destinação da TV Box apreendida é um grande problema para nós, e se tornou uma solução inovadora. Esse é o poder da parceria”.

Para o coordenador-geral de Programação e Logística da Receita Federal do Brasil, auditor-fiscal Onassis Simões da Luz, é uma grande satisfação ver como as instituições como a UFLA têm se reinventado e buscado soluções. “Essa parceria que temos não deixa de ser uma solução. Vejo aqui colegas servidores públicos que fazem a diferença naquilo que estão fazendo. A UFLA nos deixou as portas abertas e temos bastante a colaborar na entrega de valores e resultados para a sociedade”.

Além da UFLA e da Receita Federal, a Universidade Federal de Itajubá (Unifei), o Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM), a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), a Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas (IFSul de Minas), a Agência Nacional do Cinema (Ancine) e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) são parceiras na iniciativa.

Na UFLA, o “Projeto Além do Horizonte” conta com a cooperação mútua de docentes dos cursos de Engenharia Mecânica, Engenharia Ambiental e Engenharia de Materiais, além de técnicos e estudantes da Universidade.

Descaracterização de tabaco apreendido

Após uma visita pelo câmpus universitário guiada pelo  pró-reitor de Infraestrutura e Logística (Proinfra), professor Sandro Pereira da Silva, os integrantes da Receita Federal tiveram a oportunidade de  visitar o campo de compostagem de tabaco e conhecer as pesquisas que estão sendo desenvolvidas com o aproveitamento de filtros para a fabricação de telhas e blocos, além do funcionamento do equipamento inédito desenvolvido pela UFLA , que prevê a destinação sustentável dos compostos de cigarros apreendidos pela Receita Federal.

Em agosto deste ano, a Universidade apresentou à Receita Federal o equipamento que  separa embalagens, tabaco e filtro de forma autônoma. Por hora, o conteúdo de 1.161 maços de cigarro é descaracterizado pela máquina, que está em processo para ser patenteada. 

Além da descaracterização dos cigarros, é feito o aproveitamento do tabaco, que, misturado a outros componentes no processo de compostagem, se transforma em um composto orgânico útil à adubação das áreas de cultivo da UFLA. Em outra vertente, é realizada a fabricação de compósitos cerâmicos do tipo fibrocimento reforçados com tabaco, oriundos de cigarros triturados, do papelão das caixas de cigarro e também com os filtros dos cigarros. “Os fibrocimentos com filtros em associação com celulose obtiveram os melhores resultados, atendendo às normas de comercialização, e, portanto, podem inclusive ser utilizados em escala comercial. Além disso, estudos com compósitos poliméricos e outros tipos de compósitos cerâmicos já estão em andamento”, comenta o professor Rafael Farinassi Mendes da Escola de Engenharia (EENG). Os plásticos das embalagens dos cigarros descaracterizados tão são separados e enviados para a coleta seletiva para reaproveitamento. 

O Superintendente da 6ª Região Fiscal da Receita Federal em Minas Gerais, auditor-fiscal Mário José Dehon São Thiago Santiago, disse que para a Receita Federal é um orgulho ter a UFLA como parceira. “Falamos de destinação sustentável, de criar soluções como esse projeto dos cigarros, que pode virar uma referência internacional em destinação de mercadorias. Essa foi a mais inovadora ação da Receita em Minas Gerais. Vocês da UFLA nos dão a chance de cumprir nossa missão”.