Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Trabalho de professor e aluna da UFLA monitora animais silvestres em parque de Lavras

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Quinta, 06 Abril 2017 12:10 | Última Atualização: Terça, 04 Abril 2017 13:05
[caption id="attachment_129436" align="alignleft" width="249"] Arte mostra área de reserva ambiental e animais encontrados no local[/caption] Treze espécies de animais silvestres foram monitoradas por armadilhas fotográficas durante dez meses, no Parque Ecológico Quedas do Rio Bonito, em Lavras.  De acordo com o professor Antonio Carlos da Silva Zanzini, do Departamento de Ciências Florestais (DCF) da Universidade Federal de Lavras (UFLA), o trabalho, desenvolvido em parceria com a aluna do curso de biologia (bacharelado) Ellen Cristina Mões Oliveira, resultou em cerca de três mil registros que flagraram o período e o perfil de atividade dos bichos por 24 horas. Um deles, o porco do mato, foi encontrado pela primeira vez na reserva. Lobo-guará (vulnerável à extinção), cateto (vulnerável à extinção), irara, jaguatirica, sagui e coelho do mato e outros também foram localizados no parque. O monitoramento permitiu também avaliar a riqueza em espécies de mamíferos de médio e grande porte do parque e analisar a similaridade entre os tipos fisionômicos dos vegetais encontrados. O parque é o maior de Lavras, com cerca de 250 hectares de extensão, motivos que fizeram o professor a escolher o local para o levantamento. Aberta ao público, a reserva ecológica é mantida por uma fundação. [caption id="attachment_129437" align="alignright" width="240"] Cães foram localizados no parque[/caption] O professor explicou que oito armadilhas fotográficas foram fixadas em árvores, a aproximadamente dez centímetros de distância do solo, e em regiões por onde os bichos circulam na mata. De acordo com Zanzini, cada máquina pode captar os movimentos dos animais a cada 30 segundos, sendo que as câmeras ficaram em modo filmagem por 24 horas/dia. Outro tipo de registro, o chamado de “independente” pelo professor, flagrou as espécies no intervalo de tempo superior a uma hora. Antes de deixar os equipamentos no parque, o Zanzini visitou a área e escolheu quatro tipos de vegetação para desenvolver o trabalho. Os locais onde houve monitoramento compreendem Floresta Estacional Semidecidual, Mata de Galeria, Campo Cerrado e Cerrado Típico. Com a ação, foi possível também identificar 400 registros da presença de cães no parque e esses animais domésticos tiveram o mesmo horário de circulação de oito espécies silvestres. Para o professor, essa constatação sinaliza um desequilíbrio ambiental em razão da convivência entre bichos domésticos e nativos. Além desse problema, o Zanzini identificou que alguns animais de porte pequeno acabam virando presa para os cachorros. [caption id="attachment_129438" align="alignleft" width="249"] Armadilhas fotográficas utilizadas no trabalho[/caption] Para que essa situação seja controlada, Zanzini sugeriu captura e remoção dos cães, controle da entrada desses animais na reserva e uma ação de educação ambiental. O professor Zanzini avaliou como positivo o resultado do trabalho e disse que espera publicá-lo em forma de artigo científico. Por fim, ele ressaltou a disponibilidade e a atenção da direção do parque para a realização da pesquisa. Texto: Rafael Passos - Jornalista/bolsista - Fapemig