Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Professora da UFLA recebe Prêmio Inventores por trabalho desenvolvido na pós-graduação

Publicado: Sexta, 23 Junho 2017 07:09 | Última Atualização: Segunda, 19 Junho 2017 10:54
[caption id="attachment_133144" align="alignleft" width="249"] Profª Olga, ao centro, com o orientador, prof. Francisco, à direita[/caption] Durante seu mestrado e doutorado em Engenharia de Alimentos, a professora Olga Lucía Mondragón Bernal (DCA/UFLA) desenvolveu alimentos funcionais a base de extratos vegetais principalmente soja. Formulações e processos de fabricação foram patenteados e, neste ano, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde ela fez a pós-graduação, reconheceu o trabalho e o processo inovador, concedendo à professora o Prêmio Inventores na categoria Patente Concedida. A premiação foi realizada no dia 31 de maio, no Auditório da Faculdade de Ciências Médicas daquela instituição. Sobre o produto O produto alimentício funcional desenvolvido busca substituir derivados do leite, sendo indicado para intolerantes a lactose ou alérgicos às proteínas do leite. É voltado à população adulta, mas pode ser consumido por crianças por ser fermentada. Produzida nas versões diet e tradicional, o produto é rico em fibras solúveis e pode conter até quatro linhagens probióticas, entre lactobacilos, bifidobactérias e outras linhagens. “Esses microrganismos têm locais de ação específicos no trato digestório humano, trazendo vantagens ao organismo”, explica a professora Olga. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), os probióticos são organismos vivos que, administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro. Entre os efeitos sinérgicos dos probióticos e prebióticos estão: restauração do equilíbrio bacteriano intestinal (causado por diversos fatores da vida moderna como estresse, consumo de antibióticos, dieta pobre em fibras e rica em açúcares e amidos simples, entre outros); favorecimento da atividade da microbiota intestinal associada à saúde como são as bifidobactérias; aumento da absorção e síntese de nutrientes e substâncias benéficas como ácidos orgânicos, vitamina B12,entre outros. “Os veganos têm carência dessa vitamina, tornando tais produtos uma fonte alternativa para esses indivíduos. As fibras solúveis contribuem para o menor tempo de transito intestinal, diminuindo a fermentação putrefativa”, explica a professora Olga. “No produto patenteado cada linhagem encontra-se em números elevados e em cumprimento às quantidades exigidas pela legislação brasileira – de no mínimo 1 bilhão de unidades formadoras de colônia por porção diária de cada linhagem –,  valor que permite chamar um alimento como probiótico e como funcional”, garante a professora. As opções disponíveis no mercado, atualmente, contam no máximo com duas linhagens de microrganismos probióticos em produtos derivados do leite. O licenciamento por parte de empresas de alimentos dará o privilégio da inovação e o know-how do processo, pois supriria a lacuna existente no mercado de produtos com essas características. Trabalho em equipe Pela tecnologia, a Agência Inova Unicamp concedeu o prêmio à professora Olga e seu orientador, professor Francisco Maugeri Filho, e ao mentor Júlio Lúcio Mukuno (in memoriam). “A ideia que deu o inicio às pesquisas foi do Júlio, Engenheiro de Alimentos, naturalista, estudioso e consumidor de produtos saudáveis e colega do professor Francisco Maugeri Filho, que orientou o trabalho de pesquisa. A pesquisa contou com todo o apoio da equipe e estrutura do Laboratório de Engenharia de Bioprocessos da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, sendo fundamental a contribuição das doutoras Fatima Costa e Maria Isabel Rodrigues”, recorda-se a professora Olga. “Houve grande parceria e os resultados foram empolgantes. Tanto que atualmente continuo pesquisando nessa área temática, novas orientações e publicações têm sido geradas e no nosso dia a dia difundimos os aprendizados em sala de aula, com as nossas famílias e amigos”. O Prêmio Inventores é realizado pela Unicamp desde 2004. Na categoria Patentes Concedidas, 30 novas tecnologias foram premiadas somente neste ano. A pesquisa da professora já havia sido reconhecida com a indicação ao Prêmio Jovem Cientista (2004). Na UFLA A professora Olga leciona na UFLA desde 2010, atuando em pesquisas na área de Engenharia de Bioprocessos e Gestão e Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos. Dando continuidade à pesquisa sobre produção de alimentos com agentes probióticos, a professora aprovou, juntamente com o professor José Guilherme Lembi Alves, o projeto “Ampliação de escala em biorreator da produção de fermentados simbióticos a base de soja” pela Fapemig. Ambos coorientam pesquisas na área, que já resultaram em uma dissertação de mestrado defendida e duas em andamento, assim como duas iniciações científicas.  

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.