Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Rede Mineira de Bioterismo realiza visita na UFLA

Escrito por Camila Caetano | Publicado: Domingo, 29 Novembro -0001 20:53 | Última Atualização: Quinta, 28 Junho 2018 16:56
[caption id="attachment_145870" align="alignleft" width="207"] Reunião realizada na Reitoria da UFLA[/caption] Como integrante da Rede Mineira de Bioterismo (RMBIO), a Universidade Federal de Lavras (UFLA) recebeu uma visita e consultoria na última sexta-feira (17/11) com a presença da coordenadora da RMBIO, professora Vera Maria Peters, com o objetivo de aprimorar conhecimentos em relação ao manejo, bem estar, sanidade e genética de animais experimentais, atendendo as determinações legais (da Lei n. 11.794/2008, validada pelo Decreto n. 6899/2009). Essa ação vem sendo desenvolvida em diversas instituições pertencentes à Rede, por meio de visitas, onde participam coordenadores de biotérios, médicos veterinários, técnicos da área e administrativos, membros das Comissões de Ética em Experimentação Animal (CEUAs), profissionais envolvidos no processo de criação e uso do modelo animal em atividades de ensino e pesquisa. [caption id="attachment_145872" align="alignright" width="177"] Pró-reitora adjunta de Pesquisa, professora Priscila Vieira e Rosa; coordenadora da RMBIO e coordenador do Biotério da UFLA[/caption] A equipe da RMBIO visitou as instalações do Biotério da UFLA e sanou as dúvidas com relação às novas adequações. “Estamos numa fase de reestruturação do regimento do Biotério para aprimorar e qualificar o serviço prestado, e estendê-lo para todas as alas animais da Universidade, passando a ser denominado de Instalação Animal e a sua devida especificidade. Outra mudança a ser realizada é com relação ao biotério de roedores, que deixará de ser de produção e passará a ser de experimentação, assim, a aquisição deverá ser planejada e comunicada”, comenta o coordenador do Biotério da UFLA, professor Thales Augusto Barçante. O presidente da CEUA na UFLA, professor Juliano Vogas Peixoto, explica que as universidades pertencentes à Rede receberam um financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) para poder melhorar a forma de criar os animais, em contrapartida, elas têm o compromisso de disponibilizá-los para outras instituições. “Por exemplo, se eu quiser desenvolver um experimento na UFLA com camundongos eu procuro outra instituição que participa da Rede e compro esses animais. A participação na Rede garante que os animais sejam saudáveis, com modelos experimentais de qualidade”, relata. O Biotério Central da UFLA está vinculado à Pró-Reitoria de Pesquisa (PRP) e tem como finalidade a criação, manutenção e reprodução de animais para uso em experimentação científica. Está localizado no Departamento de Medicina Veterinária (DMV) e possui uma ala destinada a peixes e outra a roedores (ratos e camundongos). O Biotério tem contribuído para pesquisas desenvolvidas no Estado, fornecendo a outras instituições as condições para que desenvolvam importantes estudos.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.
Portal da Ciência - Universidade Federal de Lavras
Coronavírus Covid-19: É importante de informar e prevenir. ufla.br/coronavirus
FalaBR: Pedidos de informações públicas e manifestações de ouvidoria em um único local. Sistema Eletrônico de Informações ao Cidadão (e-SIC) e Ouvidoria.