Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Defendida primeira tese da UFLA pelo Programa Multicêntrico de Pós-Graduação em Química de Minas Gerais

Escrito por Samara Avelar | Publicado: Domingo, 29 Novembro -0001 20:53 | Última Atualização: Quinta, 28 Junho 2018 16:56
[caption id="attachment_147681" align="alignleft" width="249"] O doutorando Isael Aparecido Rosa (ao centro) defendeu a primeira tese na UFLA pelo PPGMQ[/caption] Na tarde de segunda-feira (18/12), foi realizada a defesa da primeira tese de doutorado da UFLA produzida por meio do Programa Multicêntrico de Pós-Graduação em Química de Minas Gerais (PPGMQ). O doutorando Isael Aparecido Rosa desenvolveu o projeto intitulado “Complexos metálicos como sondas espectrocópicas: modelagem molecular, síntese e atividade biológica”, sob orientação do professor Teodorico de Castro Ramalho. A partir de técnicas de química computacional, a pesquisa identificou um novo complexo metálico paramagnético com potencial de aplicação na ressonância magnética de imagens e no diagnóstico do câncer de mama, como um novo promissor agente de contraste. A banca foi composta pelos docentes Mauro Vieira de Almeida (UFJF), Melissa Soares (UFOP), Daniel Henriques Soares Leal (UFES), Sérgio Scherrer Thomasi (UFLA) e Marcelo Henrique dos Santos (UFV), também coorientador no projeto. É a terceira defesa de tese de doutorado do PPGMQ realizada no estado. O projeto teve início em 2014, com o conceito 4 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A iniciativa surgiu  como uma nova estratégia de oferta de pós-graduação – nível de mestrado e doutorado –, buscando a construção coletiva do conhecimento por meio de um conjunto de instituições de referência. O programa é ancorado pela Rede Mineira de Química (RQMG) e conta com uma parceria entre instituições que já possuem programas de pós-graduação em Química, denominadas nucleadoras (universidades federais de Juiz de Fora – UFJF, de Alfenas – Unifal e de Uberlândia – UFU) e instituições associadas (UFLA e as universidades federais de São João del-Rei – UFSJ, de Itajubá – Unifei, do Triângulo Mineiro – UFTM, dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM, de Viçosa – UFV e de Ouro Preto – UFOP, além do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – Cefet/MG). De acordo com o coordenador-geral do PPGMQ, professor Mauro Vieira de Almeida, da UFJF, o programa tem sido fundamental para evitar a evasão de pesquisadores do interior de Minas Gerais. “Por meio do PPGMQ, dá-se condições para que o discente desenvolva sua pesquisa em qualquer câmpus de instituições associadas e tenha acesso a materiais, pesquisadores e laboratórios de referência. Além de contribuir para a manutenção de um corpo científico em diversas cidades mineiras, é uma maneira de valorizar o trabalho de cada pesquisador”, explicou. Mauro lembrou, ainda, a procura significativa pelo programa, que contou com 298 inscritos no último processo seletivo unificado. O pró-reitor de Pesquisa da UFLA, professor Teodorico Ramalho, ressaltou a importância do PPGMQ para a Instituição. “O programa tem permitido maior visibilidade para as instituições localizadas fora dos grandes centros e promovido a integração entre pesquisadores de uma mesma linha, o que é muito relevante para o nosso pós-graduando”, reforçou. Integração essa que possibilitou o desenvolvimento da pesquisa por Isael, que é servidor da Diretoria de Meio Ambiente (DMA) da UFLA desde 2013 e teria dificuldades para realizar o doutorado em outra cidade. “Participar do PPGMQ foi muito importante, pois tive acesso a excelentes professores de várias instituições. Além disso, conciliar trabalho e estudos não é uma tarefa trivial. Por isso, também sou grato ao meu orientador e aos colegas do grupo de Química, da DMA e à minha família”, reforçou o pesquisador. O PPGMQ – O objetivo do programa é despertar potencialidades locais e educacionais, no sentido de formar um coletivo de professores/pesquisadores que apontem soluções e alternativas para os constantes desafios que a área de Química apresenta. Somando-se todas as instituições participantes, os pós-graduandos podem optar por 16 linhas de pesquisa (Catálise; Ciência dos Materiais; Desenvolvimento e Aplicação de Métodos Analíticos; Determinação Estrutural de Sólidos Cristalinos e Amorfos; Eletroanalítica e Desenvolvimento de Sensores; Eletroquímica e Eletrocatálise; Espectroscopia Molecular; Físico-Química de Macromoléculas e Colóides; Físico-Química de Sólidos e Interfaces; Química Ambiental; Química de Produtos Naturais; Química Inorgânica Preparativa; Química Medicinal; Química Teórica e Computacional; Quimioinformática; Síntese Orgânica). As instituições nucleadoras colaboram com disciplinas regularmente ofertadas pelos Programas de Pós-Graduação, dentro do limite de vagas, coorientação e colaboração nas teses e dissertações (facultativo), bem como disponibilização da infraestrutura de pesquisa, por meio da coorientação (quando existente). As Instituições Associadas oferecem orientação e coorientação, infraestrutura de pesquisa e disciplinas. Acesse o site da Rede Mineiras de Química. Acompanhe o PPGMQ nas redes sociais.