Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Aves de fim de ano: o que você precisa saber sobre elas

Escrito por Karina Mascarenhas | Publicado: Domingo, 29 Novembro -0001 20:53 | Última Atualização: Quinta, 28 Junho 2018 16:56
Presença garantida na mesa de muitos brasileiros no final de ano: peru, chester, bruster e outras aves especiais são facilmente encontradas nesta época do ano. Em meio a tantas opções, o que escolher para celebrar as datas com a família e amigos? De acordo com o professor da área de avicultura do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) Antônio Gilberto Bertechini a escolha depende do paladar de cada um “A diferença entre elas é em relação à textura da carne, provocada por um diferencial de células. No geral, são carnes de alta qualidade nutricional, cuja composição em aminoácidos essenciais é muito parecida em todas. Assim como os teores de gordura que também são muito baixos”. O peru é da espécie - Meleagris Gallopavo, uma ave de grande porte, muito consumida no dia de Ação de Graças nos Estados Unidos. Conhecida por seu sabor forte, coloração avermelhada, o preço geralmente mais elevado é resultado do custo de produção conforme explica o professor “O peru possui uma conversão alimentar, isto é, gastam mais ração para fazer um quilo de ganho do que o frango de corte. Sem contar que tem um ritual de processamento diferente, tem um desgaste na parte do abate e é uma ave sensível no transporte, por isso é mais cara”. Já o chester é uma ave da espécie Gallus Gallus Domesticus, a mesma da galinha poedeira e do frango comum. Com sabor suave, graças a genética, o chester possui um duplo peito.  Segundo Bertechini, o maior diferencial dessas aves para o frango que consumimos no dia a dia é em relação à genética e criação, uma vez que são aves tardias, o chester vive por cerca de 62 dias e alcança 4,3 quilos em média. “Há uma redução da velocidade do crescimento para que elas cresçam devagar e com isso tenham uma configuração de carcaça diferente, com a carne um pouco mais dura e coloração diferenciada por processamento. A carne do chester, por exemplo, tem uma coloração em tom salmão claro, com uma textura mais firme. Ele é um frango duplo peito, pois essa é a parte mais importante dele”. Também resultado de uma criação tardia, o Bruster é outra opção para o final de ano.  De acordo com o pesquisador “Todas as aves podem ser criadas como ele, desde que haja um plano nutricional para retardar o crescimento, com isso muda-se a configuração dos tecidos e dá uma textura diferenciada”. Enquanto um frango normal é abatido após 42 dias de vida, pesando cerca de 2,8 quilos, um bruster fica até 60 dias na granja, atingindo 3,6 quilos. O mercado de aves especiais promete aquecer o setor de carnes. Segundo o jornal “Valor Econômico”, com um ambiente favorável, as vendas de produtos comemorativos podem crescer mais de 5% em 2017. No Brasil, as vendas de carnes comemorativas, movimentam mais de R$ 700 milhões por ano, de acordo com estimativas do setor. Matéria: Karina Mascarenhas- jornalista, bolsista Fapemig/Dcom.  https://youtu.be/RVFNgCLEiD4 Edição do vídeo: Mayara Toyama, estagiária Dcom/UFLA. 

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.