Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Dengue, zika e chikungunya: o que é preciso saber?

Escrito por Samara Avelar | Publicado: Sexta, 17 Agosto 2018 13:40 | Última Atualização: Quarta, 29 Agosto 2018 15:24

Em época de chuvas, os riscos de infecção por dengue, zika e chikungunya aumentam devido à proliferação do mosquito Aedes aegypti. Em 19/2, a Secretaria de Estado e Saúde (SES/MG) divulgou boletim contabilizando 5.609 pacientes com as doenças somente neste ano. Por isso, é fundamental redobrar os cuidados para eliminar possíveis criadouros dos insetos e ficar atento aos sintomas das doenças.

De acordo com o médico da UFLA, o infectologista Silvio Menicucci,  as manifestações são semelhantes em alguns aspectos, como febre, mal estar e dor no corpo, mas cada doença pode apresentar sintomas bem característicos:

Dengue

É uma doença que não apresenta sintomas em 75% dos casos. Quando existem, encontra-se febre, dor no corpo, dor nas articulações, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, mal estar e vermelhidão na pele.

Zika

Não há sintomas em 80% dos casos. Quando apresenta sintomas, os mais frequentes são a vermelhidão na pele, febre, mal estar, dor no corpo e vermelhidão nos olhos sem a presença de pus.

Chikungunya

É uma doença que causa sintomas na maior parte dos casos, causando grande dor nas articulações. Também pode provocar vermelhidão nos olhos, febre e mal estar.  

Limitar o contato com o vetor é fundamental para prevenção das doenças.  O ciclo de reprodução do mosquito, desde o ovo à forma adulta, leva em torno de 5 a 10 dias. De acordo com a Fiocruz, uma inspeção semanal de dez minutos é suficiente para eliminar os criadouros domésticos, que representam por cerca de 80% do total.  

“É preciso dificultar a proliferação do vetor, não deixando água parada e fazendo vistorias em casa para verificar se há vasos de plantas e outros recipientes acumulando água. Do ponto de vista individual, devemos fazer o uso de repelentes, reaplicando periodicamente de acordo com as orientações do fabricantes, além de utilizar roupas com mangas compridas e calças em locais onde existem focos do mosquito. No caso da dengue, a vacinação também é uma alternativa disponível a pessoas que já tiveram a doença”, reforça o infectologista.

Em caso de suspeita das doenças, é fundamental procurar atendimento médico imediatamente.

Confira as orientações do médico Silvio Menicucci sobre dengue, zika e chikungunya: