Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Pitaia: estudos na UFLA propõem uma alternativa para o melhor aproveitamento da fruta

Escrito por DCOM | Publicado: Sexta, 17 Agosto 2018 14:07 | Última Atualização: Quarta, 29 Agosto 2018 15:39

O Brasil produz uma grande variedade de frutas, superando os 40 milhões de toneladas nos últimos anos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porém, uma das maiores dificuldades enfrentadas na fruticultura brasileira é o grande desperdício, seja por falta de comercialização e escoamento da produção, ou pelo tempo curto de prateleira, principalmente de espécies exóticas como a pitaia, que pode ser encontrada de dezembro a meados de abril.

Uma alternativa para o máximo aproveitamento das frutas é o desenvolvimento de produtos processados da frutífera, por isso a pós-doutoranda da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Deniete Soares Magalhães, desenvolveu geleia, licor e barra de cereal usando a pitaia vermelha de polpa branca (Hylocereus undatus) e vermelha de polpa vermelha (Hylocereus polyrhizus). Além do aproveitamento da polpa, foram desenvolvidas pesquisas com a utilização da casca da fruta da pitaia, que é algo inédito.

O professor José Darlan Ramos do Departamento de Agricultura (DAG/UFLA), orientador do projeto de doutorado, explica que as pesquisas de processamento da pitaia ainda são recentes, por isso, neste quesito destacam as análises feitas pela pós- doutoranda. “É mais uma alternativa de aproveitamento dos frutos, principalmente os de menor tamanho que não são aproveitados para o mercado in natura.”

Assim, a intenção foi desenvolver produtos a partir de materiais pouco aproveitados da fruta. “Nosso primeiro trabalho foi desenvolver geleias de pitaia de polpa branca e de polpa vermelha com diferentes níveis de casca (de 0 até 60%). Na de polpa branca, por exemplo, pudemos observar que a medida que se aumenta a concentração de casca, a geleia é mais aceita visualmente por conta da coloração. Já na de polpa vermelha, a coloração dela é tão forte que a diferença entre a produzida com a polpa e a com 60% de casca é mínima”, explica a pesquisadora.

Foram feitas análises da qualidade fisico, fisico-química e análise de aceitabilidade pelo consumidor. Para a produção da geleia, apenas uma parte da casca da pitaia é utilizada. A fruta é higienizada, depois retira-se o excesso de pele e aproveita-se a parte interna da camada. De acordo com o estudo, a adição da casca não interferiu no sabor da geleia, um resultado positivo no que diz respeito ao aproveitamento dessa parte da planta que seria descartada. O aproveitamento de cascas é uma alternativa sustentável, uma vez que a geração de resíduos agroindustriais tem se tornado um problema, especialmente para o meio ambiente.

Em parceria com o Departamento de Ciências de Alimentos (DCA), Deniete também desenvolveu outros produtos, como o licor de pitaia, tanto da de polpa branca quanto da vermelha, e as barras de cereais, nas quais os pesquisadores usaram a pitaia vermelha por conta de a coloração ser mais atrativa e pelo maior conteúdo de betalanaínas, que apresentam propriedades funcionais. Todos os produtos tiveram uma aceitação muito boa do consumidor.

Além disso, com polpas congeladas da fruta é possível fazer sucos e vitaminas, e a aceitabilidade sensorial desses produtos também foi objeto de estudo da pesquisadora. Estudos de aceitabilidade dos frutos in natura das diferentes espécies de pitaia, incluindo a pitaia amarela, também foram realizados, além de trabalhos de caracterização e qualidade dos frutos em diferentes estádios de desenvolvimento para determinação dos índices de maturação e auxiliar na indicação do melhor ponto de colheita das frutas. Novos estudos estão sendo conduzidos pela equipe, buscando o melhor aproveitamento da fruta.

 

Texto: Karina Mascarenhas, jornalista - bolsista Fapemig/Dcom.

Imagens e vídeo: Panmela Oliveira, comunicadora - bolsista Fapemig/Dcom.