Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Professores da Ufla opinam sobre legislação federal de banho-e-tosa em animais de companhia

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Domingo, 23 Março 2008 21:00 | Última Atualização: Domingo, 23 Março 2008 21:00

Um dos maiores problemas que o setor de pets (animais de companhia) vem enfrentando é o crescimento acelerado dos serviços auxiliares de beleza e estética animal, vulgarmente denominados “banho-e-tosas”. Nesses estabelecimentos, em sua esmagadora maioria, está lotado pessoal sem qualificação médico-veterinária, provocando acidentes diversos que vão desde lesões de pele, injúrias oculares, alterações comportamentais e traumatismos (como fraturas), até mesmo o óbito dos animais.

O crescimento nesse setor é um dos maiores já verificados nos últimos anos no Brasil, e sem uma legislação eficaz, o que acaba propiciando a abertura e o funcionamento desordenado, com saturação do mercado e conseqüências graves à saúde animal.

Desde 2001, o Departamento de Medicina Veterinária (DMV), da Universidade Federal de Lavras (Ufla) vem atuando ativamente nesse segmento, principalmente visando estabelecer uma padronização para a atuação desses estabelecimentos. Como pioneiro no Brasil em estudos relacionados à área, o DMV/Ufla serviu como elemento norteador para o início das conversações sobre o tema.

Em 2007, sob consulta do Conselho Regional de Medicina Veterinária do estado de Goiás (CRMV-GO), o professor Carlos Artur Lopes Leite, docente do DMV, auxiliou a Comissão Nacional do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) a elaborar o que hoje se conhece como Resolução 878, promulgada em 15/02/2008. Essa lei obriga a todos os estabelecimentos de Banho-e-tosa a registrarem suas atividades com responsáveis médicos veterinários, o que anteriormente não era necessário. Dessa forma, buscou-se valorizar a classe veterinária, ao mesmo tempo em que se impôs maior controle sobre a atividade desses prestadores de serviços. As multas para quem não cumprir as regulamentações dessa diretriz são pesadas, desestimulando a contravenção por parte dos “banho-e-tosas”.

Os trabalhos ainda continuam no sentido de melhorar a qualidade de serviços desses estabelecimentos, fornecendo segurança para todos que usufruem desta atividade. Os próximos passos serão dados buscando treinar o pessoal técnico por meio de cursos de curta duração, palestras e material impresso. Mais uma vez o DMV/Ufla é quem liderará essa iniciativa em todo o país, tornando-se uma referência nacional para o mercado pet.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.