Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Confira os lançamentos das editoras universitárias

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Domingo, 30 Março 2008 21:00 | Última Atualização: Domingo, 30 Março 2008 21:00

“Guia das Tecamebas - Bacia do Rio Peruaçu - Minas Gerais: subsídio para conservação e monitoramento da Bacia do Rio São Francisco”, Maria Beatriz Gomes e Souza – os ambientes aquáticos do nosso Planeta encontram-se ameaçados pelo uso inadequado dos seres humanos. Esse Guia mostra as imagens de seres que vivem nas águas da Bacia do Rio Peruaçu, mas que são invisíveis para nós. São unicelulares e têm parentesco com as amebas. Constroem carapaças, de elementos que capturam nas águas ou nos sedimentos, chamadas de “tecas”. A ciência utiliza essas “Tecamebas” como indicadores da saúde ambiental, e a proposta é aplicar esse conhecimento na recuperação e conservação da Bacia do Rio São Francisco. (UFMG)

“As cantigas de D. Joan Garcia de Guilhade e estudos dispersos”, Oskar Nobiling – a obra, organizada por Yara Frateschi, traz ainda textos antes distribuídos em revistas européias de difícil acesso, além de importantes informações sobre o autor e sua trajetória, apêndice com correspondências, caderno fotográfico e bibliografia. Oskar Nobiling é considerado pioneiro e paradigma na crítica textual e um dos mais fecundos e originais estudiosos dos cancioneiros medievais. Ele se dedicou ao estudo da língua portuguesa e das manifestações luso-brasileiras e sua investigação filológica é de grande importância pela inovação e competência com que trata a lírica medieval galego-portuguesa. Nobiling ocupa um lugar de relevo no quadro de lusitanistas estrangeiros que conta com nomes da importância de Wilhelm Storck, Henry Lang e Jules Cornu. Com exceção de sua importante tese para a Universidade de Bonn, a edição de As Cantigas do Trovador Joan Garcia de Guilhade, os estudiosos brasileiros pouco tinham acesso aos trabalhos de Nobiling, publicados em revistas alemãs quase sempre inexistentes em bibliotecas do país. Todavia, tanto em Portugal quanto no Brasil, sua figura e seu valor para a investigação filológica foram sempre reconhecidos, pela profundidade de seu saber e pelo escrúpulo científico com que orientava suas pesquisas. (UFF)

'O golpe de 1964 e o Regime Militar - novas perspectivas', João Roberto Martins Filho – o trabalho foi idealizado durante simpósio internacional que ocorreu na Universidade em 2006. No evento foram discutidos diferentes aspectos relacionados ao golpe militar, desde 1964 até os nossos dias. Embora exista uma rica bibliografia sobre o assunto, a distância temporal, a investigação em fontes disponibilizadas recentemente, o aparecimento de novas temáticas e de novas gerações de pesquisadores (brasileiros e estrangeiros) fazem com que o tema possa ser observado por outros ângulos. Na coleção de textos, o leitor pode ter um bom panorama do que se tem produzido sobre o tema. (UFSCar)

“Ritual, risco e arte circense: o homem em situaçoes limite”, Guilherme Veiga – a publicaçao resulta da tese de doutorado de Veiga, defendida em 2004 no Departamento de Sociologia (SOL) da UnB. Para escreve-la, o filósofo baseou-se na literatura relativa ao assunto e em seu trabalho de campo, que incluiu a matrícula, como aluno, na Escola Nacional de Circo. O livro, da Editora UnB, foi organizado pela família de Veiga e pelo professor Joao Gabriel Teixeira, que orientou o estudante no trabalho, em homenagem r memória do autor, falecido ano passado, em um acidente de carro. Além de filósofo, o escritor também era artista plástico, músico, compositor e professor universitário. (UnB)

“Extensão Rural, Extensão Pesqueira: Experiências Cruzadas”, Maria do Rosário Leitão (Org.) – a obra reúne artigos resultados de pesquisas e atividades de extensão na comunidade A Ver-o-Mar, do município de Sirinhaém (PE). A partir de temas como gênero, desenvolvimento local, metodologia, meio ambiente, capital social, turismo, saúde e comunicação, o livro é dividido em três partes: a primeira sobre desenvolvimento local; a segunda prioriza a reflexão e a prática metodológicas; e a terceira reúne diversos textos sobre identidade, moda, educação e liderança. (UFRPE)

'Modos de Brincar, Lembrar e Dizer: discursividade e subjetivação', Fátima Vasconcelos, Veriana Colaço e Nelson Barros (Orgs.) – a obra é composta por trabalhos sobre as pesquisas desenvolvidas no grupo de estudos nos últimos dois anos e está dividida em duas partes: a primeira intitulada 'Modos de Brincar, Modos de Ser'; e a segunda, 'Modos de Lembrar, Modos de Dizer'. (UFC)

'Democracia e sociedade civil: um debate necessário', Maria Lúcia Durigueto – na obra, resultado da tese de doutorado, Maria Lúcia proporciona uma melhor compreensão do atual terreno de luta, tanto o da sociedade civil quanto o da democracia, sinalizando para a superação necessária do capitalismo. O livro é apontado como de importante leitura para estudantes e profissionais envolvidos com o assunto. (UFJF)

“A política da capoeiragem: a história social da capoeira e do boi-bumbá no Pará republicano (1888-1906)”, Luiz Augusto Pinheiro Leal – o autor retrata a história da capoeiragem durante a república no Brasil. A obra faz um relato sobre capoeira no Brasil no início do século XX . Tem como foco a região do Pará, onde a capoeira tem peculiaridades diferentes da região da Bahia e do Rio de Janeiro. O livro é dividido em três capítulos e mostra a relação da capoeira com o Boi-bumbá e a capanagem. Revela, também, a participação da capoeiragem na implantação da República no Brasil e as campanhas repressivas à capoeira e à “vagabundagem” na cidade de Belém. (UFBA)

“O retrato na rua - memórias e modernidade na cidade planejada”, Myriam Ávila – memórias de belo-horizontinos e relatos de viajantes estrangeiros no Brasil são o ponto de partida para incursões nos temas da modernidade, alteridade e cultura, tratados de forma criativa, trazendo à cena nomes pouco freqüentados ou desconhecidos em diálogo com escritores brasileiros e estrangeiros, cuja literatura faz hoje parte do imaginário do cotidiano que nos circunda. (UFMG)

“Literalmente falando: sentido literal e metáfora na metalinguagem”, Solange Coelho Vereza – aborda a metáfora que, de simples ornamento de linguagem – característico dos discursos poético e retórico –, vem sendo, nas últimas décadas, abordada a partir de seu papel ao mesmo tempo cognitivo e discursivo na produção de sentidos. Assim, de figura de linguagem, a metáfora adquire um estatuto teórico de figura de pensamento, articulando-se à cultura e à ideologia para (re)criar realidades. (UFF)

“Poesia & Vida: Anos 70”, Alexandre Faria (Org.) – a obra é resultado do Colóquio 'Relendo a poesia dos anos 70 aos dias atuais', realizado no antigo Instituto de Ciências Humanas e de Letras (ICHL), em 2005. O livro revive a resistência à repressão no tempo da Ditadura Militar, ao alternar textos acadêmicos com poesias e depoimentos de poetas importantes como Ferreira Gullar e Affonso Romano de Sant´Anna. Além disso, revela em primeira mão anotações pessoais do saudoso Cacaso, ao citar trecho inédito de seu diário. (UFSCar)

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.