Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Educação Inclusiva: Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nas Redes de Proteção

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Segunda, 02 Junho 2008 21:00 | Última Atualização: Segunda, 02 Junho 2008 21:00

A Universidade Federal de Lavras (Ufla) por meio do do Departamento de Educação (DED) e coordenação das professoras Cláudia Maria Ribeiro e Ila Maria Silva de Souza, concorreu ao edital do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Desenvolvimento (Secad)aprovando o Projeto Educação Inclusiva: Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nas Redes de Proteção.

O Projeto contempla a participação de cidades do sul de Minas Gerais em encontros que objetivam qualificar técnica e politicamente professores, professoras e demais integrantes das redes de proteção visando mobilizar a sociedade para participar na política de prevenção, atendimento, apoio e identificação das violências sexuais, no enfrentamento ao sexismo e à homofobia.

O primeiro encontro aconteceu no Departamento de Educação onde estavam presentes as cidades de Alfenas, Carmo da Cachoeira, Lavras, Nepomuceno, Perdões, Três Corações, São Bento Abade, Itumirim, Itutinga, Santana do Jacaré e Oliveira com representantes das Secretarias de Educação e Secretarias de Saúde através de professoras, agentes comunitários de saúde – PSF – e integrantes do Programa Sentinela e Conselheiros Tutelares.

Os encontros acontecem quinzenalmente, organizando-se para ter instrumentos de controle social compartilhado e planejado em vinte e duas cidades do Sul de Minas Gerais, com a finalidade de sensibilizar a todas e a todos para a gravidade das violências sexuais contra crianças e adolescentes e continuar elaborando conjuntamente estratégias de ação para prevenir, sancionar e erradicar essas violências (sexuais, sexistas e homofóbicas).

Nos encontros são vivenciadas experiências e aprendizados através de metodologia participativa contemplando estudo e problematização de textos, roda de conversa, salas temáticas, troca de experiências entre as/os participantes. Em um dos encontros foram montadas as Tendas de Gênero e Sexualidade onde os/as participantes do Projeto vivenciaram a experiência de visitação às três tendas, cada uma enfocando a sexualidade em diferentes momentos da história e a última tenda representando a Rede de Proteção.

São vários encontros previstos até o mês de Setembro onde o compromisso de cada participante é realizar em seu município o seminário “Tecendo Sexualidade e Gênero nas Redes de Proteção”, além de levar as Tendas de Gênero e Sexualidade para suas cidades, articular uma rede de instituições visando à prevenção, punição e erradicação da violência sexual, sexista e homofóbica como Conselho Tutelar, Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente, Escolas, Associações de Bairro, Poder Judiciário, Polícia Militar, dentre outras.

18 de Maio - Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual
Sendo assim, as/os participantes são multiplicadores em suas cidades, objetivando o fortalecimento da Rede de Proteção à Criança e Adolescente, compromissando-se com a realização de atividades em seus municípios como a mobilização que aconteceu no Dia 18 de Maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Neste dia e mesmo durante toda a semana que antecedeu o 18 de Maio, as cidades se mobilizaram quer em escolas ou praça pública, com atividades como concurso de redação, de cartazes e de desenhos, tendas informativas, sala para exibição e discussão de filme, brinquedos, teatro, danças, encontro com pais e mães nas escolas, debates com Conselheiros/as Tutelares, Polícia Militar, professoras/es, Programa Sentinela, Cras, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, enfim, ações pensadas e realizadas sensibilizando, problematizando, promovendo a participação efetiva de todas e todos no enfrentamento às violências contra crianças e adolescentes.

Ressalta-se, ainda, que o Projeto contempla a edição de um livro onde se registra as experiências problematizadas decorrentes das atividades desenvolvidas durante três anos consecutivos de implementação do Projeto “Construindo Práticas a Partir dos Compromissos com a Defesa dos Direitos Sexuais na Infância e Adolescência no Combate ao Abuso e Exploração Sexual”, livro este que será oferecido aos participantes, em um total de 200 exemplares para cada município, subsidiando assim as discussões de todas e todos.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.