Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Índices de preços agrícolas indicam queda de renda no campo

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Quarta, 27 Agosto 2008 08:10 | Última Atualização: Quarta, 27 Agosto 2008 08:10

Avaliando a renda média do produtor rural em agosto, medida pelo Índice de Preços Recebidos (IPR) pela venda de seus produtos agrícolas, o resultado foi negativo no mês, com queda média de 0,08%, seguindo uma tendência do mês passado, quando o IPR também recuou 4,97%. Já no acumulado do ano, o IPR está em 14,19%. São pesquisados, mensalmente, 42 produtos agrícolas.

Esta diminuição de renda em agosto está localizada na pecuária leiteira, com queda de 3,74% no preço do leite fluido tipo C pago ao pecuarista em plena entressafra e no preço do milho, cuja cotação caiu 6,79% no campo.

Também alguns hortifrutigranjeiros contribuíram para esta situação de perda de renda, a exemplo dos preços do tomate, cuja queda foi de 40,74%; couve-flor, -34,78%; beterraba, -37,86%; pimentão e quiabo, 10,0% cada; milho verde, -17,58% e batata, cujo preço pago ao bataticultor caiu 9,0%.

Entre as altas verificas no mês de agosto, estão os preços pagos pelo café (5,74%) e pelo feijão (8,7%). A pesquisa não identificou variações, na média, dos preços pagos pelos produtos de origem animal, como frangos, ovos, arrobas do boi e do suíno.

Em agosto, o Índice de Preços Pagos (IPP) pelos insumos agropecuários teve ligeira alta de 0,11%, acumulando, no ano de 2008, alta de 14,16%. No caso dos insumos agrícolas, são levantados os preços de 187 produtos.

As altas verificadas no mês neste segmento estão associadas a alguns defensivos, como herbicidas, com aumento de 2,08%, inseticidas, acréscimo de 10,51% e preço médio do frete do leite, cujo aumento em agosto foi de 21,05%. Mas, foram identificadas quedas significativas em alguns insumos que vinham aumentando nos últimos meses, a exemplo dos fertilizantes, que ficaram mais barato para o produtor, em média, 2,22% e sementes e mudas, cuja queda registrada no mês atingiu 18,10%.