Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

UFLA sedia reunião sobre indução de resistência em plantas

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Sexta, 03 Setembro 2010 12:50 | Última Atualização: Sexta, 03 Setembro 2010 12:50
O Núcleo de Estudos em Fitopatologia realiza, de 14 a 16 de setembro, a V Reunião Brasileira sobre Indução de Resistência em Plantas, simultaneamente com o X Simpósio de Controle de Doenças de Plantas.

 

Segundo o coordenador geral do evento, prof. Mário Lúcio Vilela Resende, do Departamento de Fitopatologia, “atualmente, a indução de resistência é uma das táticas mais relevantes a serem incorporadas no manejo integrado de fitodoenças, considerando sua ação de amplo espectro contra patógenos diversos, aliada ao baixo impacto ambiental derivado do uso desta tecnologia”.

 

Na reunião, serão ressaltados os fundamentos teóricos e as possíveis aplicações para os indutores de resistência. Renomados palestrantes nacionais e internacionais descreverão suas experiências e relatarão os mecanismos pelos quais certas espécies vegetais são ativadas por diferentes moléculas indutoras a se defenderem contra organismos intrusos.

 

“Buscaremos ampliar os conhecimentos adquiridos nas reuniões passadas e fortalecer o grupo de pesquisadores envolvidos na indução de resistência. Para isso, convidamos vários palestrantes de renome internacional, visando maior intercâmbio com instituições no exterior, onde a ciência da Indução de Resistência tem avançado muito, principalmente nos aspectos moleculares e bioquímicos. Estarão presentes, ainda, empresas do setor de fertilizantes foliares e defensivos agrícolas, o que nos leva a crer que esta nova tecnologia tem conquistado uma fatia de mercado, cada vez mais expressiva no cenário da defesa agrícola brasileira”, explica Mário Lúcio. 

 

A resistência induzida, embora seja uma resistência parcial, é ecologicamente correta e a indústria percebeu que existe um nicho de mercado a ser preenchido com novos produtos menos tóxicos ao homem e ao meio ambiente. “Considerando-se os conhecimentos adquiridos nos últimos anos, vislumbra-se uma possibilidade real de interação entre a academia e o setor produtivo, buscando o desenvolvimento de potentes indutores de resistência ou até mesmo a otimização de uso dos produtos já existentes comercialmente, em termos de época de aplicação, dosagem e associação com fertilizantes foliares e/ou defensivos agrícolas”, finaliza ele.

 

Serviço

 

As vagas para o evento são limitadas. Outras informações podem ser obtidas pelo http://www.nucleoestudo.ufla.br/nefit ou pelo 35-3829-5223.

 

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.