Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Quedas nos preços das bebidas afetam a inflação de julho – alimentos ficam 3,34% mais caros

Publicado: Segunda, 05 Agosto 2013 14:42 | Última Atualização: Sexta, 02 Agosto 2013 05:36
02.08 inflaçãoO Índice de Preços ao Consumidor (IPC), calculado pelo Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA), registrou, no mês de julho, uma taxa de inflação de 0,98%. No mês passado, o IPC da UFLA ficou em 1,59%. Como explica o professor Ricardo Reis, coordenador da pesquisa, essa inflação foi segurada pelos preços das bebidas, cuja queda média ficou em 12,81%, devido a maior  competição das cervejas, que ficaram em média mais baratas 19,81%. Já os alimentos ainda continuam a pressionar a inflação calculada pala UFLA. Em julho, os alimentos ficaram mais caros 3,34%. Os produtos in natura tiveram alta de 13,26% e os industrializados, aumento de 7,05%. No entanto, esses aumentos foram, em parte, neutralizados pelas quedas das carnes bovina, suína e pescados. Já o arroz teve uma alta de 16,08% e o feijão, 10,78%. Além das quedas das carnes, a pesquisa identificou quedas nos derivados do milho. Entre as maiores altas nos alimentos em geral, destacam-se: batata (37,14%), pimentão (40,74%), repolho (31,19%), abacate (48,01%), trigo (33,66%), leite tipo C (28,54%), mortadela (15,66%), ervilha (26,18%), azeitona (62,86%) e catchup, com alta de 28,56%. Com esses comportamentos dos preços dos alimentos semielaborados, a exemplo das carnes,  o custo da cesta básica de alimentos para uma família de quatro pessoas teve uma queda de 2,92% em julho, passando a custar R$403,72. Em junho, seu valor foi de           R$415,87%. Os demais setores pesquisados pela UFLA mantiveram, em média, as seguintes altas nas suas cotações em julho: material de limpeza (0,43%); higiene pessoal (1,26%); vestuário (1,02%); serviços gerais – água, luz, telefone e gás de cozinha (1,28%), principalmente a alta da energia elétrica; educação e saúde (0,18%); transporte (0,51%). Os grupos que mantiveram, em média, com preços estáveis em julho foram: despesas de moradia e de lazer. A exceção ficou com a queda média nos preços dos bens de consumo duráveis (eletroeletrônicos, eletrodomésticos, móveis e informática), que ficaram mais baratos para o consumidor, 1,87%.
Fonte: prof. Ricardo Reis (DAE/UFLA)
   

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.