Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Estudantes do Ensino Médio recebem medalhas da Olimpíada Brasileira de Astronomia e reconhecimento da UFLA

Publicado: Quinta, 13 Novembro 2014 14:10 | Última Atualização: Quarta, 12 Novembro 2014 14:38
[caption id="attachment_72658" align="alignleft" width="249"]Estudantes medalhistas da Olimpíada Brasileira de Astronomia Estudantes medalhistas da Olimpíada Brasileira de Astronomia[/caption] Lançado em 2009, como iniciativa para a divulgação da ciência, o projeto “A Magia da Física e do Universo” ganhou adeptos ao longo dos anos e os resultados são cada vez mais promissores. Na sexta-feira (7/11), estudantes do Ensino Médio que participam do projeto e graduandos da Universidade Federal de Lavras (UFLA) que atuam como instrutores receberam as medalhas e certificados de menção honrosa pelo desempenho na Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA). A cerimônia foi realizada no Museu de História Natural (MHN), local onde são realizadas as oficinas semanais “Física Divertida” e “Festa das Estrelas”, sob a coordenação dos professores do Departamento de Física (DFI) José Nogales e Karen Luz Burgoa Rosso, com o apoio da equipe do MHN e de um grupo de estudantes da Universidade.   Além das medalhas oficias da OBA, os estudantes e instrutores receberam o reconhecimento pela participação no projeto. Os alunos do Ensino Médio Gustavo de Souza Oliveira (Colégio Tiradentes), Guilherme Eduardo Freire Oliveira, Lair Figueiredo Trugilho (Unilavras) e Mariana Resende Carvalho (Cedet – Lavras) foram premiados com medalhas de ouro e prata na competição. O desempenho permite a eles a participação na seletiva internacional para a Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA). Os estudantes agraciados com as medalhas fazem parte de um grupo de 13 estudantes do Ensino Médio que participam efetivamente do projeto “A Magia da Física e do Universo”. O que atraia a atenção desses estudantes é justamente a didática de apresentação de temas de interesse, por meio de palestras, sessões de vídeos/documentários, utilização de aplicativos sobre astronomia, além de atividades de observação do céu, com telescópios e a olho nu. Persistência e gratificação [caption id="attachment_72659" align="alignright" width="249"]Parte do grupo "A Magia da Física e do Universo" em frente ao MHN Parte do grupo "A Magia da Física e do Universo" em frente ao MHN[/caption] Coordenadores do projeto na UFLA, os professores José Nogales e Karen Rosso, demonstraram grande satisfação com os resultados. Além de despertar nos alunos o interesse pela astronomia e pelas ciências exatas, áreas em que o Brasil ainda é muito carente de profissionais especializados e de professores formados, o projeto tem atraído a atenção da comunidade, motivando-a a desenvolver um pensamento crítico e científico. De acordo com Karen Rosso, a participação dos jovens nas oficinas traz uma motivação especial ao grupo, além de a relação com a comunidade contribuir para a formação dos futuros profissionais.  Ela destaca que os resultados foram conquistados em pouco tempo, sinalizando um grande potencial de contribuição desse projeto para o futuro. “As trocas de ideias e experiências, incluindo a participação de familiares, são sempre muito enriquecedoras”, enfatiza. O professor Nogales também faz um resgate positivo do projeto, lembrando que a iniciativa de aproximar a UFLA da comunidade, por meio de feiras de ciências itinerantes, também tem despertado nos alunos do Ensino Fundamental e Médio um olhar diferenciado para as ciências exatas e astronomia. O projeto já desenvolveu atividades com cerca de 50 escolas de Lavras e região. “Hoje já podemos presenciar crianças que sonham ser astronautas”, comenta. Nogales também fez referência ao apoio da Universidade, sobretudo por meio do Programa de Apoio ao Primeiro Projeto (PAPP), coordenado pela Pró-Reitoria de Planejamento e Gestão, que possibilitou a aquisição de vários equipamentos para o fortalecimento do projeto. Agora, os coordenadores sonham ainda mais alto, com a construção de um planetário na UFLA. Orgulho para os pais Na cerimônia, os pais de Lair Trugilho, Nelzi Figueiredo e Paulo Trugilho, estavam orgulhosos do desempenho do filho, que finaliza este ano o Ensino Médio e escolheu o curso de Física para a graduação. Como aconteceu com seus amigos, Gustavo Oliveira e Guilherme Freire, a participação no projeto da UFLA contribuiu para a escolha da futura profissão. Eliana Aparecida de Souza, mãe do estudante Gustavo Oliveira, também está orgulhosa e feliz. Ela conta que a participação no projeto, além de contribuir para a Olimpíada, trouxe reflexos também no desempenho escolar do adolescente, que comumente troca as atividades próprias da idade para a participação nas oficinas de astronomia. Guilherme Freire confirma a motivação: “sempre tive interesse em ciências exatas, mas o projeto fortaleceu minha escolha pelo curso de Física”. Novo papel do museu Presente na cerimônia, a coordenadora de Museus e Patrimônio Histórico da UFLA, professora Ângela Maria Soares, ressaltou a importância do projeto e também da nova fase vivenciada pelos museus da Universidade, que estão se adaptando para atender às novas demandas da comunidade. Ela reforçou o papel dos museus como centros de ciência, além de espaços dinâmicos e criativos ideais para abrigar diferentes atividades, com o incentivo à aproximação da Universidade com a sociedade. Confira a galeria de fotos. Clique na primeira foto e siga a seta para abrir as demais em tamanho expandido.      

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.