Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Terminou nesta quinta-feira na UFLA a Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Quarta, 22 Abril 2015 05:27 | Última Atualização: Quinta, 16 Abril 2015 14:43
[caption id="attachment_83297" align="alignleft" width="249"]feira-reforma-agraria Feira da reforma agrária ocorreu na tarde de 16/4, na área da Cantina Central da UFLA.[/caption] Nesta quinta-feira (16/4) a Universidade Federal de Lavras (UFLA) chegou a seu último dia de programação da Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária. Uma sessão de cine-debate, uma feira com exposição de gêneros alimentícios produzidos em acampamentos do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST) e a mesa-redonda "Universidade, Movimentos Sociais e Reforma Agrária" encerraram as atividades da Jornada, que teve em Lavras a duração de três dias. Na noite de 14/4 ocorreu abertura do evento, no anfiteatro do Departamento de Educação (DED), conduzida pelas instituições organizadoras: o DED foi representado pelo o professor Celso Vallin, o Levante Popular da Juventude por Victor Mendes e o MST por Bruno Diogo. Em seguida, deu-se o debate sobre “Agroecologia, Meio Ambiente, Gente e Reforma Agrária Popular”. Fizeram apresentações sobre o tema os pós-graduandos da UFLA Gleison Roberto da Silva e Iberê Marti. Cerca de 40 pessoas estiveram presentes. Já no dia 15/4, “A educação do campo e a questão da reforma agrária popular” norteou o debate, realizado no Pavilhão 5, à noite. As apresentações iniciais foram feitas pela integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação do Campo da Universidade Federal de Minas Gerais (LeCampo/UFMG), Sônia Maria Roseno, e pelo membro da coordenação regional do MST Marcos Bertachi. Quem passou, na tarde do dia 16/4, pela área da Cantina Central encontrou um estande do MST, onde estavam à venda e em exposição alimentos produzidos nos assentamentos de Campo do Meio e de Guapé. Com a feira, a comunidade acadêmica pôde conhecer o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Movimento. Produtos como pimenta, feijão, café, açúcar mascavo e diferentes tipos de doces despertaram o interesse de quem estava no local. No mesmo horário, um grupo se reuniu para assistir ao filme “O Veneno está na mesa” e debater o uso de agrotóxicos. O último item da programação ocorrerou às 19h, no DED. O dirigente do MST no sul de Minas Henrique do Prado Samsonas e a professora do Departamento de Administração e Economia (DAE) Maria de Lourdes Souza Oliveira abordaram temáticas relativas ao assunto Movimento Social, Universidade e Reforma Agrária Popular”. Sobre a JornadaJornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária é realizada simultaneamente em dezenas de universidades brasileiras, com eventos distribuídos entre 30/3 e 30/4. De acordo com o site do MST, o objetivo da inciativa é incentivar o compromisso das universidades com a questão da reforma agrária, aproximando a academia das questões vivenciadas no campo. As programações envolvem debates, exibições teatrais, filmes e visitas a assentamentos e feiras. Avaliação de organizadores [caption id="attachment_83296" align="alignright" width="249"]debate-reforma-agraria Cine-debate com apresentação do filme "O veneno está na mesa".[/caption] De acordo com o professor Celso, as discussões do evento evoluem com a perspectiva de que a reforma agrária clássica, restrita à distribuição da terra, já não atende às necessidades brasileiras atuais. “Muitos países do mundo, que hoje são países desenvolvidos, promoveram essa reforma clássica no passado, em grande parte motivados por interesses da própria classe burguesa. Atualmente, o que precisamos no país é algo que está sendo chamado de reforma agrária popular, acompanhada de uma política de estado que permita ao assentado produzir com tecnologia. É necessário que as comunidades tenham agroindústrias, cooperativas e outras formas de incentivo à pequena agricultura”, explica. Considerando essa premissa, o professor diz que as universidades podem dar sua contribuição ao movimento. “Criar novos modelos de produção é um desafio grande. Quando as instituições de ensino superior, com toda sua capacidade de pesquisa, são parceiras no processo, podem ser úteis na promoção de um novo jeito de fazer agricultura no país”. O professor avalia, ainda, que eventos como esta Jornada provocam o envolvimento dos estudantes e dos movimentos estudantis, colaborando para sua formação humana e social. Ao analisar os benefícios de toda essa programação para o MST, Marcos Bertachi destaca a importância do envolvimento das universidades. “Há alguns anos o MST está em diálogo com as universidades e com professores. Entendemos que a pauta da reforma agrária não é nossa; ela deve ser discutida por toda a sociedade. As instituições de ensino superior são um dos lugares propícios para isso, porque é onde se produz o conhecimento”, reflete.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.
 
Portal da Ciência - Universidade Federal de Lavras
FalaBR: Pedidos de informações públicas e manifestações de ouvidoria em um único local. Sistema Eletrônico de Informações ao Cidadão (e-SIC) e Ouvidoria.