Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Curso sobre o Mangalarga Marchador reuniu estudantes e criadores na UFLA – veja fotos

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Quinta, 18 Junho 2015 14:58 | Última Atualização: Terça, 16 Junho 2015 12:59
[caption id="attachment_87710" align="alignleft" width="249"]image029 Aula prática, no Haras El Far.[/caption] A raça de cavalos que é conhecida pela beleza, pelo porte elegante, pelo temperamento dócil e pelo bom andamento ganhou, em 2014, a posição de patrimônio brasileiro. A Lei 12.975 de 2014 declarou o Mangalarga Marchador como raça nacional. Buscando ampliar seus conhecimentos sobre o animal, um grupo de 23 pessoas passou o último fim de semana (12/6 a 14/6) realizando as atividades do curso universitário “Mangalarga Marchador para Todos”. O curso é promovido pela Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador (ABCCMM) e, na Universidade Federal de Lavras (UFLA), é realizado por meio de uma parceria com o Departamento de Zootecnia (DZO). De acordo com a professora do DZO Raquel Moura, que esteve à frente dos trabalhos na UFLA, essa foi a quinta turma do curso na Universidade. Nos dias 12/6 e 13/ a programação foi teórica, com atividades desenvolvidas no câmpus. O diretor da Escola Nacional de Árbitros, órgão ligado à ABCCMM, foi quem ministrou todo o curso. Tiago de Resende Garcia destacou o envolvimento e o interesse dos participantes dos cursos que ocorrem na UFLA. “Muitos desses estudantes serão responsáveis pela condução da raça no futuro e devem estar preparados para ajudar na seleção e, até mesmo, podem vir a trabalhar conosco na Associação”, comentou. De acordo com Tiago, são oferecidos mais de cem cursos "Mangalarga Marchador para Todos" ao longo do ano, tanto para universitários quanto para criadores do país. Para o estudante da Zootecnia Thales Torres, o curso é uma complementação importante para a formação acadêmica. “Com essas [caption id="attachment_87712" align="alignright" width="249"]Turma do curso durante aula teórica, na UFLA. Turma do curso durante aula teórica, na UFLA.[/caption] atividades, vamos além da teoria aprendida em sala de aula”. Mas não só universitários participaram do curso. O criador-usuário Ígor Freire veio de Santana do Jacaré (MG), acompanhado de um amigo, para aprender mais sobre o Mangalarga Marchador. “Ainda estou começando na área. Estava justamente esperando a oportunidade de frequentar um curso como este para aprofundar os conhecimentos e investir no negócio”, relata. A parte prática da programação ocorreu em 14/6, no Haras El Far, em Lavras. O local é o maior criatório de Mangalarga Marchador da cidade. Lá, o grupo teve a oportunidade observar a forma dos animais, com o objetivo de prever a qualidade do andamento. Em seguida, eles simularam um concurso de marcha, para avaliar o andamento. Sobre o Mangalarga Marchadorimage080 Hoje terceira maior raça de cavalos do mundo, a Mangalarga Marchador teve sua origem no sul de Minas Gerais, na fazenda Campo Alegre, localizada em Cruzília (MG). Durante a colonização portuguesa no Brasil, o Rei de Portugal presenteou o Barão de Alfenas, proprietário da fazenda, com um garanhão da raça Alter. Do cruzamento com éguas do local, originou-se a raça que tem como principal característica a marcha. Enquanto as outras raças de cavalos são marcadas pelo trote, o Mangalarga Marchador tem a particularidade de andar sem perder o contato com o solo. Por tal razão, o cavalo é eleito como ideal para a lida de gado nas fazendas, a equoterapia e  atividades de lazer, como os concursos de marcha e as cavalgadas. A raça está presente em diferentes países do mundo. A ABCCMM tem aproximadamente 7 mil associados, e 250 deles estão no exterior, com criadores nos Estados Unidos,  Alemanha,  Holanda,  Bélgica,Portugal, Itália, Canadá, Israel, Peru, Uruguai, Argentina, Congo, França e Dinamarca.
Com informações de Luciana da Silva, bolsista Ascom/DZO.