Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Professora da UFLA ministra palestras no México sobre nutrição de cães e gatos

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Sexta, 19 Junho 2015 12:58 | Última Atualização: Quarta, 17 Junho 2015 06:35
[caption id="attachment_87843" align="alignleft" width="249"]Professora Flávia Maria Saad leva tecnologias para nutrição de cães e gatos em eventos no México Professora Flávia Maria Saad compartilha tecnologias para nutrição de cães e gatos em eventos no México[/caption] A professora Flávia Maria de Oliveira Borges Saad, do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (DZO/UFLA), apresentou duas palestras no México, entre os dias 10 e 11 de junho, em eventos de nutrição de cães e gatos.  No 5° Foro México sobre alimento para mascotas, o tema retratado pela professora foi os micro elementos fornecidos sob a forma inorgânica, que podem ter sua biodisponibilidade influenciada por outros nutrientes da dieta, como minerais, proteínas e carboidratos, e ainda por condições fisiológicas do próprio animal. “Este fato levou à busca, nos anos recentes, de técnicas para desenvolver micro elementos mais estáveis e biodisponíveis, sob a forma de quelatados, justamente para favorecer determinados processos metabólicos e fisiológicos que normalmente não são realizados com capacidade plena, quando os micro elementos são fornecidos da maneira convencional” afirma Flávia Saad. De acordo com a professora, o uso de minerais quelatados vem sendo destaque na nutrição animal no mundo inteiro e  são as fontes de microminerais de eleição, em função de diversos fatores, dos quais ressalta: absorção próxima a 100%; alta estabilidade; alta disponibilidade biológica; maior tolerância do organismo animal (menos tóxico); ausência de problemas de interações com outros macro e microminerais da dieta, o que pode acarretar na insolubilização de parte dos minerais; ausência de problemas de interações com outros nutrientes da dieta, como gordura e fibra, que podem formar ligações indesejáveis com os metais, insolubilizando-os. A professora também participou do 2° Foro Latinoamericano de mascotas Alltech, em que ministrou uma palestra sobre como os componentes da dieta comum atuam no genoma, direta ou indiretamente, alterando a expressão ou estrutura gênica. “Alguns genes regulados pela dieta (e suas variantes normais) provavelmente desempenham um papel no início, na incidência, na progressão e/ou na severidade de doenças crônicas, tanto em humanos quanto em animais. Avanços da tecnologia da nutrigenômica e nutrigenética podem fornecer novas ferramentas para investigar a complexidade de muitas doenças e suas relações com nutrientes comuns na alimentação”, afirma a professora. Flávia Saad explica que a Nutrigenética estuda como a constituição genética de um indivíduo afeta sua resposta à dieta, identificando e caracterizando o gene relacionado e/ou responsável pelas diferentes respostas aos nutrientes. Por outro lado, segunda a professora, a Nutragenômica, que surgiu no contexto do pós-genoma, estuda a influência dos nutrientes na expressão dos genes e como eles regulam os processos biológicos, tendo como foco de estudo a interação gene-nutriente, o que inclui também a nutrigenética. “A nutragenomica aplicada a cães e gatos como modelos animais permite conhecer não só os genes que influenciam na saúde e longevidade destes, mas também fornece dados importantes para a pesquisa na genética humana, principalmente com relação a doenças genéticas humanas de caráter complexo”, conclui a professora.
Texto: Camila Caetano – jornalista, bolsista/UFLA