Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

UFLA participa da Semana Nacional de Controle e Combate à Leishmaniose

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Quinta, 13 Agosto 2015 13:14 | Última Atualização: Terça, 11 Agosto 2015 05:09
[caption id="attachment_93052" align="alignleft" width="249"]campanha-leishmaniose (2) Equipe da UFLA em campanha realizada em agosto de 2014.[/caption] Nesta semana, equipes da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e da Prefeitura de Lavras promovem, com ações educativas, a Semana Nacional de Controle, Combate e Prevenção à Leishmaniose Visceral As equipes do Laboratório de Biologia Parasitária (Biopar) e da Coordenadoria de Prevenção de Endemias (Cope/DMA) da UFLA apoiam a execução do Programa Nacional de Controle de Leishmaniose Visceral. Estudantes e profissionais da instituição atuam na realização de palestras em escolas durante todo o ano, assim como na aplicação dos testes. As ações da Semana Nacional de Controle, Combate e Prevenção à Leishmaniose Visceral começaram nesta segunda-feira (10/8) com distribuição de panfletos na praça Dr. Augusto Silva, das 8h às 12h. Também ocorrerá, no mesmo horário, nos dias 11/8 e 12/8 na praça Dr. Jorge. Em 13/8 e 14/8 as atividades serão na praça da Estação. No domingo (16/8) será realizada uma manhã de panfletagens e orientações na praça Dr. Augusto Silva, das 8h às 12h.  Nesse dia também serão realizados 50 testes rápidos (DPP), para diagnostico da leishmaniose visceral canina. O proprietário do animal deverá apresentar cópia do comprovante de endereço. A programação também conta com palestras nas escolas: 10/8: 15h30, na Escola Estadual Cristiano de Souza. 11/8: 13h, no Colégio Adventista – Fadminas; 14h, no Centro Educacional NDE/UFLA. 12/8: 13h, na Gralha Azul. 13/8: 8h, na Escola Logosófica de Lavras; 13h na E.E. Cinira de Carvalho. 14/8: 12h45, na E.E. João Batista Hermeto; 13h na E.E. Dora Matarazzo; 16h na E.E. Firmino Costa   Como funciona a triagem da doença em cães O teste rápido exige que se colha uma pequena amostra de sangue na parte interna da orelha do cão. Utilizando um kit apropriado, disponibilizado pelo Ministério da Saúde, a amostra é colocada em contato com reagentes. Dentro de alguns minutos é possível identificar o resultado. De acordo com a professora Joziana Muniz de Paiva Barçante, apenas no caso de o resultado ser positivo o cão terá que fazer novo exame, pelo qual nova amostra de sangue é colhida e enviada à Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte. Confirmando-se a positividade, a única medida de controle permitida no Brasil é a eutanásia – o animal precisa ser sacrificado. Caso o segundo exame apresente-se negativo, pede-se uma terceira coleta após 30 dias. Ficando apenas o primeiro exame positivo, e dos demais negativos, o cão é liberado. O tratamento canino é proibido por lei, pois coloca em risco a saúde da população e também de outros animais. Em Lavras, a equipe do Programa conta com o apoio do promotor de saúde, que já realizou a orientação dos veterinários sobre as medidas legais cabíveis no caso de descumprimento ao que é preconizado pelo Ministério da Saúde.   Sobre a doença A Leishmaniose Visceral (LV) é uma doença grave, que pode levar à morte, causada por um parasito chamado Leishmania. Ela pode afetar humanos e cães. A transmissão é feita por um inseto, conhecido como mosquito-palha. Ele pica o cão infectado e transmite o parasito ao homem.   Controle Sistemático A UFLA tem se destacado em diversas avaliações nacionais em razão das ações do Plano Ambiental e Estruturante, iniciado em 2009. Idealizado pelo então pró-reitor de Planejamento e Extensão e atual reitor, professor José Roberto Scolforo, a criação da Diretoria de Meio Ambiente, à qual está vinculada a Coordenadoria de Prevenção de Endemias, foi definida como uma das ação prioritárias do Plano Ambiental. A Coordenadoria é responsável por um controle sistemático de prevenção de zoonoses e endemias, como dengue, raiva, doença de Chagas, leishmaniose, enteroparasitoses, angiostrongilose, entre outras. Conta com o envolvimento de professores, servidores técnicos administrativos e a contribuição de estudantes para a realização de um trabalho preventivo de identificação de problemas, avaliação dos riscos e apresentação de soluções estratégicas. Além desta ação, o Plano Ambiental tem se tornado referência para outras instituições públicas e privadas do País. Para outras informações ou aviso de focos: Coordenadoria de Endemias (35) 3829-5247 ou (35) 3829-5250
Camila Caetano – jornalista bolsista/UFLA

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.