Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Plantas medicinais: pesquisa desenvolvida na UFLA em 2013 continua atraindo internautas

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Quarta, 19 Agosto 2015 14:46 | Última Atualização: Segunda, 17 Agosto 2015 11:59
[caption id="attachment_93170" align="alignright" width="249"]O autor da pesquisa e sua orientadora sentados em uma sala, próximos a um computador. Professora Angelita (orientadora da pesquisa), acompanhada do autor do estudo, Anderson Assaid Simão.[/caption] Nos dois últimos meses (junho e julho de 2015), a tese de doutorado em Agroquímica de Anderson Assaid Simão esteve entre os dez documentos mais acessados no Repositório Institucional da Universidade Federal de Lavras (UFLA), de acordo com dados divulgados pela Biblioteca Universitária. Intitulado “Composição química e toxicidade de plantas medicinais utilizadas no tratamento da obesidade”, o estudo foi concluído em 2013, sob orientação da professora do Departamento de Química (DQI), Angelita Duarte Corrêa, e coorientação do professor do Departamento de Medicina Veterinária (DMV) Raimundo Vicente de Sousa. Em 2014, o documento esteve na lista dos mais consultados em pelo menos oito meses do ano. Um artigo relacionado à pesquisa acaba de ser publicado na edição de junho/julho da Brazilian Archives Technology. Como questão de saúde pública, a obesidade polariza atenções. Em abril de 2015, o Ministério da Saúde divulgou que o índice de obesidade na população do país está estável. No entanto, o percentual de brasileiros que estão acima do peso subiu de 43% em 2006 para 52,5% em 2014. A necessidade de avaliar, por métodos científicos, produtos que prometem auxiliar no tratamento da doença motivou Anderson a realizar a pesquisa. Ele trabalhou com plantas medicinais que têm possibilidade de utilização terapêutica. O objetivo foi verificar o efeito de um fitoterápico que à época era comercializado com indicação para tratamento da obesidade, assim como avaliar separadamente a eficácia de cada componente da fórmula. As plantas que integravam a referida fórmula e que foram objeto de testes por parte da pesquisa foram marmelinho [T. paniculata], babosa [Aloe vera (L.) Burn], fel da terra [Simaba ferrugínea St. Hi], carqueja [Baccharis trimea (Less.) DC] e garcínia [Garcinia cambogia Desr.]. Durante os estudos, foi determinada a composição química das plantas, feitos ensaios de inibição de enzimas digestivas e realizada avaliação do potencial antioxidante de cada uma delas. Com o marmelinho - planta que apresentou maior presença de compostos naturais de propriedades farmacológicas – foram também feitos ensaios in vivo. Essa etapa teve o objetivo de fazer a caracterização do potencial da planta para prevenção e tratamento da obesidade, assim como a caracterização toxicológica. Nas fases iniciais da pesquisa, todas as plantas apresentaram substâncias de interesse para a análise, como compostos fenólicos, saponinas e fibras alimentares. As plantas garcínia e fel da terra também apresentaram presença de cálcio. Com a simulação do fluído gástrico, as plantas provocaram inibição de enzimas digestivas e demonstraram potencial antioxidante. O marmelinho apresentou os maiores teores de compostos fenólicos e vitamina C. Já o produto simulado, produzido a partir da fórmula em comercialização no mercado (retirada de circulação por falta de comprovação científica), não provocou inibição das enzimas e teve baixa atividade antioxidante. Por seu melhor desempenho, o marmelinho foi escolhido para o teste com ratos, desenvolvido no Biotério Setorial do DMV. Durante 42 dias, os animais, submetidos a uma dieta hipercalórica, receberam doses da planta nas formas de extrato e de farinha. Os ratos foram divididos em três grupos: um que recebia extrato, outro que recebia farinha e outro que não recebia nenhum dos produtos. Pelo experimento, ficou comprovado que a farinha e o extrato aquoso do marmelinho foram eficazes na redução da gordura hepática, da glicose e dos triacilgliceróis séricos, além de não terem apresentado toxicidade. [caption id="attachment_93172" align="aligncenter" width="612"]pesquisa-plantas-medicinais Representação da fase experimental da pesquisa, por Anderson Assaid Simão.[/caption] Dessa forma, nesta pesquisa se concluiu que as plantas estudadas apresentam substâncias com potencial terapêutico para utilização em formulação de medicamentos destinados ao tratamento da obesidade, tendo se destacado os resultados alcançados com o marmelinho. No entanto, o fitoterápico que apresentava a união de todas elas não demonstrou o efeito necessário, o que pode alertar para o fato de que o produto antes comercializado não tinha o potencial de gerar o efeito emagrecedor divulgado. Professora Angelita esclarece que os estudos com essas plantas precisam ser aprofundados. “Não recomendamos que as pessoas consumam o marmelinho, ou qualquer outra dessas plantas, com a intenção de emagrecer. São necessárias pesquisas que avaliem outros parâmetros, de forma a garantir a indicação segura do uso”, explica. A pesquisa foi desenvolvida com o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), tendo sido também ampliada e contemplada com recursos do Projeto Pesquisador Mineiro, da Fapemig.   Artigos produzidos a partir do trabalho de Anderson no Programa de Pós-Graduação em Agroquímica da UFLA (publicações): - Anti-obesity Effects of the Administration of Tournefortia paniculata Cham Extract on Wistar Rats Subjected to a Hypercaloric Diet - Brazilian Archives of Biology and Technology/2015. - Chemical composition of medicinal plants used as auxiliary treatments for obesity – African Journal of Biotechnology/ 2014. - Pharmacotoxic evaluation of extracts of medicinal plants used in the treatmet of obesity - African Journal of Biotechnology/ 2014. - Antioxidants from Medicinal Plants Used in the Treatment of Obesity – European Journal of Medicinal Plants/2013. - Inhibition of digestive enzymes by medicinal plant aqueous extracts used to aid the treatment of obesity. Journal of Medicinal Plants Research/2012. Consulte a tese: http://repositorio.ufla.br/handle/1/1712   Outros três trabalhos que estiveram entre os mais acessados no Repositório Institucional UFLA nos últimos dois meses foram: Consumo consciente: a atitude do cliente perante o comportamento sócio-ambiental empresarial, de Maria José da Silva Fabi, Cléria Donizete da Silva Lourenço e Sabrina Soares da Silva. Departamento de Administração e Economia. Estudo comparativo entre faseolamina comercial e farinha de feijão como perspectiva ao tratamento da obesidade e do diabetes mellitus tipo 2, de Luciana Lopes Silva, orientada por Custódio Donizete dos Santos. Departamento de Química. Potencial alelopático de plantas de cobertura no controle de picão-preto (Bidens pilosa L.), de Cícero Monti Teixeira, João Batista Silva Araújo e Gabriel José e Carvalho. Departamento de Agricultura.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.