Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Abertura de exposição e narração de contos de Guimarães Rosa marcaram início da semana na UFLA

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Quarta, 09 Setembro 2015 07:41 | Última Atualização: Terça, 01 Setembro 2015 14:38
image051A programação da segunda-feira (31/8), nas comemorações pelos 107 anos da Universidade Federal de Lavras (UFLA), valorizou a arte, a literatura e a cultura mineiras. O escritor Guimarães Rosa foi homenageado por meio da exposição “Um olhar para o Sertão” e da narração do conto de sua autoria “A hora e a vez do Augusto Matraga”. A abertura da exposição, que ficará acessível ao público até o final de setembro no Museu Bi Moreira (MBM), ocorreu às 14h. São 14 telas em exposição, inspiradas na obra de Guimarães Rosa e pintadas pelo artista plástico Adriano Alves. Além das telas, há painéis que narram a biografia do escritor e destacam suas reflexões, sua forma de interpretar a vida. A ambientação ao mundo do escritor se completa com um espaço criado na sala de exposições para projeção digital das paisagens que tematizaram a obra de Guimarães Rosa. Melodias que remetem aos cenários mineiros também auxiliam na composição do ambiente. A exposição itinerante é uma iniciativa do Projeto Crea Cultural, pelo qual foi proposto ao artista Adriano Alves a produção dos quadros. A primeira mostra ocorreu em Belo Horizonte, em novembro de 2014. Como parte da proposta de interiorização cultural do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), já passou por Varginha e Capim Branco. Lavras é, portanto, o quarto município a receber o trabalho. A organização das atividades na cidade é de responsabilidade das coordenadorias de Cultura e de Museus e Patrimônio, ambas ligadas à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec) da UFLA. Dando sequência ao percurso da exposição em Minas Gerais, já estão previstas mostras em Sete Lagoas, Itaúna, Alfenas e Morro da Garça. A estudante Ana Caroline Amaral, que iniciará o curso de Engenharia Florestal na UFLA, já está na cidade e fez questão de estar presente na abertura da exposição. Ela mostrou admiração pelas obras. “Gostei muito das formas e cores que o artista usou”, comentou. Ana Caroline veio do estado do Pará e aguarda o início do período letivo, aproveitando o momento para acompanhar a programação da Semana de Ciência, Cultura e Arte da UFLA. No decorrer do mês de setembro, o público poderá comparecer ao Museu Bi Moreira (Câmpus Histórico da UFLA) para apreciar os trabalhos de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. O agendamento de grupos poderá ser feito pelo telefone (35) 3829-1205. A solenidade de aberturaimage031 A abertura da exposição foi oficialmente conduzida pelo pró-reitor de Extensão e Cultura, professor José Roberto Pereira; pelo diretor-presidente do Crea Cultural, Ederson Bustamante; pelo coordenador de Cultura da UFLA, professor Silvério Coelho; pela coordenadora de Museus e Patrimônio Histórico da UFLA, professora Ângela Maria Soares e pela narradora de contos de Guimarães Rosa e prima do escritor, Dôra Guimarães. Estiveram também presentes o narrador de contos Tiago Goulart; a secretária de Educação de Lavras, professora Amaryllis Pádua Castro; o pró-reitor de Pesquisa, professor José Maria Lima, além de visitantes da exposição , diretores e professores de escolas públicas. A professora Ângela destacou os pontos positivos das exposições itinerantes, por permitirem à população o contato com temáticas variadas. “O papel do Museu ultrapassa seu acervo permanente e compromete-se com a diversificação. Essas exposições, a exemplo do que vimos com 'Maravilhas da Mecânica', criam nas pessoas o hábito de visitar com frequência os museus”, disse. Ao explicar os objetivos de interiorização da cultura, o presidente do Crea Cultural lembrou do exemplo de pessoas que, após a abertura da exposição [caption id="attachment_96954" align="alignright" width="249"]O reitor da UFLA, professor José Roberto Soares Scolforo, visitou a exposição logo após a abertura. O reitor da UFLA, professor José Roberto Soares Scolforo, visitou a exposição logo após a abertura.[/caption] em Belo Horizonte, decidiram adquirir obras de Guimarães Rosa. “É isso que desejamos: despertar na população a vontade de conhecer mais sobre o artista e sobre a arte”. Professor José Roberto manifestou satisfação por receber na Universidade uma exposição que valoriza a cultura mineira. Lembrou que as obras do escritor foram mais publicadas e lidas no exterior do que no Brasil, reconhecendo a importância de se trabalhar pela mudança dessa realidade. “Vamos remando em favor da cultura brasileira”, enfatizou. Dôra Guimarães falou sobre a atividade de narração dos contos. “Buscamos trazer oralidade para o texto literário. Em Guimarães Rosa, esse processo é facilitado porque o próprio autor já trabalhava com a oralidade, e seu texto flui perfeitamente”, explicou. Tiago Goulart narrou parte do conto Campo Geral, integrante do livro Manuelzão e Miguilim, e concentrou a atenção de todos os presentes. Público aplaudiu de pé narração do conto “A hora e a vez de Augusto Matraga” [caption id="attachment_96951" align="alignright" width="249"]Dôra Guimarães e Tiago Goulart narraram conto de Guimarães Rosa no Salão de Convenções da UFLA. Dôra Guimarães e Tiago Goulart narraram conto de Guimarães Rosa no Salão de Convenções da UFLA.[/caption] O público que esteve no Salão de Convenções da UFLA para a narração de conto feita por Dôra Guimarães e Tiago Goulart reconheceu, por meio de fortes aplausos, a qualidade da arte apresentada. As estudantes do curso de Letras Carolina Alves Carvalho e Camila Diniz deram seus testemunhos: “Superou minhas expectativas. Foi emocionante”, resumiu Carolina. “Ter contato com a obra do escritor por meio desse tipo de manifestação artística é uma experiência gratificante”, completou. Para Camila, que já havia produzido um trabalho acadêmico sobre o conto narrado, também foi uma experiência singular. “Fiquei empolgada quando soube pelo site da UFLA que haveria a narração. Ouvir o conto dessa forma traz outras sensações e expande a leitura”. Durante todo o tempo de interpretação do conto “A hora e a vez de Augusto Matraga”, a plateia esteve atenta e silenciosa, presa ao desenrolar da história e ao trabalho dos narradores que, com entonações e expressões, garantiram dinâmica à apreciação dos escritos de Guimarães Rosa. Ao final, todos se colocaram de pé para aplaudir o trabalho. A narração foi realizada na noite dessa segunda-feira (31/8). Sobre Guimarães Rosa O escritor pertence à terceira geração do modernismo, com fortes características regionalistas. Seus contos e romances, em sua maioria, têm como pano de fundo o Cerrado mineiro. Uma das marcas do escritor, e fator de sua inovação na literatura, é a utilização de uma linguagem fiel à popular. Em suas viagens, conversou com jagunços, coronéis, peões, prostitutas e beatas, sempre anotando as peculiaridades dessas conversas, incorporando-as em suas produções. A experimentação marcou a escrita de Guimarães Rosa, com a recriação da linguagem e recorrência constante a neologismos.  Renovou o romance brasileiro. O caráter de fábulas de suas histórias revela uma visão global da existência, fundindo tudo numa realidade em que estão presentes os planos geográfico, folclórico, social, econômico, político e psicológico, transmitidos pela sua arte de escritor. Nascido em Cordisburgo, pequena cidade do interior de Minas Gerais que fica a cerca de 330 Km de Lavras, Guimarães Rosa deu início a seus escritos aos 38 anos, produzindo a uma obra que conquistou o respeito e a admiração do público. Era também médico e diplomata. Morreu em 1967, aos 59 anos, apenas três dias após assumir a cadeira na Academia Brasileira de Letras. Obras – Magma (poesias – 1936): não chegou a publicar. – Sagarana (1946 – contos e novelas regionalistas): livro de estréia. A palavra sagarana é um dos neologismos de autoria de Guimarães Rosa. – Corpo de Baile (1956 – novelas), obra atualmente publicada em três partes: Manuelzão e Miguilim; No Urubuquaquá, no Pinhém; Noites do Sertão. – Grande Sertão: Veredas (1956), considerada a obra-prima do escritor e um dos melhores romances da literatura brasileira. Trata-se de um monólogo do início ao fim do livro. – Primeiras estórias (1962) – Tutaméia – Terceiras estórias: causou furor no meio literário e dividiu a crítica, porém, fez grande sucesso com o público. Foi o último livro que Guimarães Rosa publicou em vida. – Obras póstumas: Estas estórias (1969 – contos); Ave, palavra (1970 – diversos).
Às vezes, quase acredito que eu mesmo, João, seja um conto contado por mim. --------------- Você conhece meus cadernos. Quando saio montado num cavalo, pela minha Minas Gerais, vou tomando nota das coisas. O caderno fica impregnado de sangue de boi, suor de cavalo, folha machucada. Cada pássaro que voa, cada espécie, tem voo diferente. Quero descobrir o que caracteriza o voo de cada pássaro, a cada momento. Eu não escrevo difícil. Eu sei o nome das coisas. Guimarães Rosa
Sobre Adriano Alves, pintor das telas em exposição [caption id="attachment_97119" align="alignleft" width="249"]tela-nhô-augusto Tela (em exposição) que retrata o personagem "Nhô-Augusto", do conto "A hora e a vez de Augusto Matraga", narrado por Dôra Guimarães e Tiago Goulart. A tela é de Adriano Alves.[/caption] Adriano Alves nasceu em São Paulo e mora há mais de 30 anos em Belo Horizonte. Desenhando desde os quatro anos de idade, resolveu trabalhar com arte apenas aos 24. Passou pelo teatro como ator e figurinista. Trabalhou também na criação de adereços para cenários. A inquietação para criar materializou-se na pintura de camisetas e logo foi transferida para telas e papéis, utilizando tinta acrílica. É ilustrador de capas de livros infantis e trabalhou com criação de projetos gráficos para diferentes artistas. Com a proposta do Crea Cultural para que mergulhasse no mundo de Guimarães Rosa e representasse em tela a produção do escritor, viveu o desafio de sua primeira exposição. Na criação das 14 telas, priorizou cores e tons alegres. “Quando leio os textos de Guimarães, só consigo imaginar cada cena, cada passagem com cor, e o próprio autor descreve as cores”, escreveu Tiago.   Fotos da exposição Fotos da narração de contos