Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Câmara estuda certificação para professor do ensino básico

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Terça, 25 Setembro 2007 21:00 | Última Atualização: Terça, 25 Setembro 2007 21:00

Portal UOL, 24/09/07

Um exame nacional de certificação como pré-requisito para o exercício do magistério na educação básica. Essa é a proposta incluída no projeto de lei 1088/07, que está em tramitação na Câmara dos Deputados. De acordo com o documento, o exame deverá ser aplicado pelo menos uma vez ao ano.

A proposta, que altera a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), dispensa do exame os profissionais já em exercício e os que já passaram por cursos de formação inicial.

Avaliação periódica

A idéia do projeto, que é do deputado Gastão Vieira (PMDB-MA), é fomentar o desenvolvimento de planos de carreira que contemplem a valorização do magistério a partir da competência profissional.

Controvérsias na formação

A formação de professores com nível médio tem sido envolvida em controvérsias. A LDB gerou dúvidas sobre o assunto ao estabelecer que 'até o fim da Década da Educação somente serão admitidos professores habilitados em nível superior ou formados por treinamento em serviço'. Pela Lei, publicada em dezembro de 1996, a Década da Educação termina em 23 de dezembro de 2007.

Em 2001, a Lei Federal nº 10.172 aprovou o PNE (Plano Nacional de Educação), dando prazo de dez anos para que 70% dos professores do ensino básico adquirissem formação superior.

Para o MEC, a formação em nível superior para o magistério é uma meta, um desafio que deve ser perseguido na busca da valorização dos professores e da melhoria da qualidade do ensino. Ninguém deve se contentar apenas com o nível médio.

Direito de lecionar

O PNE reconhece a existência de cerca de 30 mil professores que atuam na educação infantil sem formação superior e aproximadamente 10 mil em classes de alfabetização, com formação apenas no ensino fundamental. Cerca de 100 mil professores (número que o PNE considerava subestimado) atuam nos anos iniciais do ensino fundamental e precisam de formação específica em nível médio.

O CNE (Conselho Nacional de Educação) afirma que professores formados no curso normal têm direito adquirido e constitucional de exercer suas funções na educação infantil e na primeira etapa do ensino fundamental. O parecer sobre o assunto (CNE/CEB 03/2003) foi aprovado em março deste ano.

'As pessoas que foram legalmente habilitadas para o exercício do magistério possuem esse direito por toda a vida', declara Nelio Bizzo, vice-presidente da Câmara de Educação Básica do CNE e relator do parecer. Isso vale para quem já está na rede de ensino e para quem irá se formar no curso.

Segundo a assessoria de imprensa do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), existem atualmente, no Brasil, 1.339 cursos ou habilitações em magistério autorizados pelo MEC. No entanto, o nível de formação dos professores atuantes é definido por leis estaduais ou municipais.

Portal da Ciência - Universidade Federal de Lavras
Coronavírus Covid-19: É importante de informar e prevenir. ufla.br/coronavirus
FalaBR: Pedidos de informações públicas e manifestações de ouvidoria em um único local. Sistema Eletrônico de Informações ao Cidadão (e-SIC) e Ouvidoria.