Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Genética e Melhoramento de Plantas: trabalho de pós-graduanda foi premiado em evento internacional

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Quinta, 12 Novembro 2015 14:53 | Última Atualização: Terça, 10 Novembro 2015 12:52
larissaO Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas comemora a conquista alcançada por uma de suas estudantes - Larissa Carvalho Costa, orientada pela professora do Departamento de Biologia (DBI) Elaine Aparecida de Souza. Larissa recebeu o prêmio de melhor apresentação oral durante o Biennial Bean Improvement Cooperative Meeting, um encontro internacional bianual de melhoramento de feijão, realizado no período de 1º a 4 de novembro, em Niagara Falls, Ontario, Canadá. O artigo “Different genes conferring resistance to race 65 of Colletotrichum lindemuthianum” (Diferentes Genes conferem resistência à raça 65 do Colletotrichum lindemuthianum) aborda resultados obtidos na dissertação de mestrado da estudante. Além de Larrissa e da professora Elaine, são autores do trabalho o ex-aluno de mestrado Rafael Storto Nalin e o professor Magno Antonio Patto Ramalho. De acordo com a Larissa, o evento foi uma ótima oportunidade para a discussão de aspectos importantes relacionados ao melhoramento do feijoeiro, que é uma cultura de relevância para o País. “Foi uma grande satisfação ser premiada na categoria de pós-graduação. Além disso, foi uma ótima oportunidade para divulgar nosso trabalho e interagir com pesquisadores renomados, de vários países, que trabalham com a cultura. Agradeço a professora Elaine e ao programa de Pós-graduação em Genética e Melhoramento de Plantas da UFLA pela oportunidade." Participaram do evento professores, pesquisadores e pós-graduandos de diferentes países (Estados Unidos, Canadá, Brasil, Espanha, Porto Rico, países da África, Colômbia e outros). A UFLA esteve representada não só por Larissa e professora Elaine, mas também pelos estudantes de pós-graduação Dayane Cristina Lima e Renato Coelho Vasconcellos. [caption id="attachment_104736" align="alignright" width="249"]larissa2 Estudantes de pós-graduação da UFLA presentes no Biennial Bean Improvement Cooperative Meeting: Dayane, Renato e Larissa (da esq. p/ dir.).[/caption] O prêmio, na avaliação da professora, é fruto de uma união entre o comprometimento da estudante e a qualidade das pesquisas que vêm sendo desenvolvidas no programa de genética e melhoramento do feijoeiro da UFLA. “Para nós, do Laboratório de Resistência de Plantas a Doenças, o reconhecimento alcançado pela Larissa reflete seu esforço pessoal, pois seu trabalho foi selecionado para apresentação oral e ela aceitou e se empenhou neste desafio. Além disso, mostra a importância e qualidade da pesquisa que vem sendo desenvolvida ao longo dos anos na área de resistência genética a doenças do feijoeiro da UFLA”, diz. A divulgação da pesquisa realizada na UFLA em eventos internacionais integra as ações de internacionalização do Programa de Pós-graduação e tem permitido a parceria com instituições internacionais em pesquisas de interesse mútuo. [caption id="attachment_104738" align="alignleft" width="249"]Pesquisadores posados para foto. No evento: professora Elaine (à esq.), acompanhada de pesquisador do U.S. Department of Agriculture e de professora da Universidade de Dakota do Norte. [/caption] Sobre o trabalho Colletotrichum lindemuthianum é o fungo causador da antracnose, doença que provoca grandes perdas à cultura do feijoeiro. A raça 65 desse fungo apresenta grande variabilidade genética, o que torna difícil a obtenção de cultivares com resistência duradoura. O trabalho premiado utilizou três linhagens da raça 65 e nove cultivares comerciais - adaptadas às condições de cultivo do Brasil e com capacidade para discriminar a variabilidade dentro dessa raça. Assim, foi possível determinar o controle genético da resistência dessas cultivares, constatando-se que há mais de um gene que confere resistência a uma linhagem específica do patógeno. O conhecimento dessas informações é estratégico para o trabalho do melhorista ao desenvolver novas cultivares. “A importância atribuída ao estudo se deve à contribuição que oferece a tudo que vem sendo feito em termos de pesquisa básica e aplicada para promover a resistência a essa doença”, explica a professora Elaine.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.