Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Núcleo de Acessibilidade lança campanha de conscientização no câmpus

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Terça, 15 Dezembro 2015 07:16 | Última Atualização: Quinta, 03 Dezembro 2015 14:19
NAUFLA_CAMPANHA (6)Nesta quinta-feira (3/12), quando é celebrado o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, o Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal de Lavras (NAUFLA) lançou uma campanha educativa por todo o câmpus. “Um pouco de respeito e cidadania não faz mal a ninguém” é o lema da mobilização. Aqueles que estacionarem em locais indevidos receberão uma notificação classificada como "multa moral". Quem aplica a advertência deve indicar o motivo que gerou a multa, podendo ser estacionamento: em vaga reservada para pessoas com deficiência, em vaga reservada para idoso, sobre a calçada ou bloqueando o rebaixamento de guia (rampa). Será também anotados a placa do veículo, a data, o local e o horário em que a multa for emitida. A coordenadora do Núcleo, professora Helena Libardi, relata que a multa moral é uma forma de conscientizar tanto a comunidade acadêmica quanto aqueles que frequentam a universidade. Assim, a expectativa é de que a conscientização prossiga na cidade. “São direitos garantidos por lei. É um conhecimento que queremos levar para fora da universidade. Se provocarmos uma mudança de comportamento aqui, talvez na cidade também consigamos”, comenta a professora. Além da professora Helena, também estiveram presentes no lançamento da campanha a professora do Departamento de Educação (DED) Érica Alves naufla4Barbosa Medeiros Tavares e os tradutores-intérpretes de Língua de Sinais Wanderson Samuel Moraes Souza e Welbert Vinícius de Souza Sansao, todos integrantes do Naufla. Eles estavam acompanhados de estudantes da disciplina de Libras e percorreram as avenidas do câmpus aplicando a multa moral. Em apenas dez minutos, seis veículos foram advertidos: alguns em vaga para idosos, outros em vagas para deficientes – todos eles sem a credencial exigida por lei. A equipe do Naufla explica que as reclamações de pessoas que estacionam nessas vagas têm ocorrido com frequência. Por isso, a necessidade de ser feita a campanha na UFLA. “Pesquisamos outras universidades que também fizeram esse tipo de campanha e resolvemos aplicar aqui. Ressaltamos que aqueles que possuem deficiências ou são idosos devem possuir a credencial, que é feita na prefeitura da cidade. Já aqueles que estão com alguma deficiência temporária e que frequentam o câmpus da UFLA, podem procurar o Naufla para fazer um cadastro temporário, a fim de utilizar as vagas”, comenta Samuel.naufla3 Os formulários para aplicação das multas serão disponibilizados em todos os departamentos da UFLA. Assim, toda a comunidade poderá contribuir com a comunicação das advertências. “É uma multa educativa. A intenção é que a pessoa não repita esse erro. Mas, caso haja reincidências, iremos localizar o proprietário do veículo e chamá-lo para conversar”, relata a professora Helena. Além disso, as pessoas também podem enviar fotos para a página do Naufla. A intenção é que a participação da comunidade acadêmica seja intensa. Naufla O Núcleo de Acessibilidade foi fundado na UFLA em 2012, sendo ligado à Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários (Praec). Seu objetivo énaufla2 garantir todos os direitos das pessoas com deficiência que ingressam na universidade, para que tenham os recursos necessários para desenvolver todo o seu potencial no ambiente acadêmico. Além das professoras Helena e Érica, e os tradutores-intérpretes Samuel e Welbert, o Naufla também é composto pelos professores do Departamento de Ciência da Computação (DCC) André Pimenta e José Monserrat Neto; as professoras do Departamento de Ciências Exatas (DEX) Rosana Maria Mendes e Evelise Roman Corbalan Gois Freire, e a professora do DED Pryscilla Duarte de Melo.
Texto: Camila Caetano – jornalista, bolsista/UFLA.