Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária – interessados podem colaborar

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Sexta, 29 Abril 2016 08:08 | Última Atualização: Terça, 01 Março 2016 14:41
[caption id="attachment_83297" align="alignright" width="249"]feira-reforma-agraria Feira ocorrida na UFLA durante Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária de 2015. Estavam à venda e em exposição alimentos produzidos nos assentamentos de Campo do Meio e de Guapé.[/caption] Na sexta-feira (26/2), reuniram-se na Universidade Federal de Lavras (UFLA) grupos de estudantes e professores para organizar a Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (Jura) 2016. A previsão é de que o evento ocorra no final de abril. Estiveram presentes, nessa primeira reunião, professores da Educação/Pedagogia, da Administração Pública, do Direito, da Ciência da Computação, além de estudantes do Diretório Central dos Estudantes, do Yebá Ervas & Matos, do Núcleo de Estudos em Agricultura Orgânica (Neagro), do Grupo de Pesquisa e Extensão em Gênero e Diversidade em Movimento (Gedim), da Associação Brasileira dos Estudantes de Engenharia Florestal (Abeef), do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e do Levante Popular da Juventude. Interessados em colaborar na organização do evento poderão comparecer à próxima reunião, que será realizada na sexta-feira (4/3), 16h, no DED. A Jornada tem como objetivo debater e sensibilizar a comunidade universitária e a sociedade para a importância da Reforma Agrária, com atividades extracurriculares que promovem a discussão de problemas da atualidade social. Como exemplos das questões tratadas, podem ser citados: a colocação de "veneno" na mesa; as possibilidades de controle natural de pragas; as políticas de terra para quem trabalha nela; a saúde e a soberania alimentar; o não à terceirização, ao trabalho precarizado ou escravo e à escola não tecnicista e alienadora; a memória e comunicação críticas; a participação e a responsabilidade social; a igualdade racial, de gênero e campo-cidade; as lutas contra a homofobia, entre outros. Para o professor do DED e um dos organizadores do evento na UFLA, Celso Vallin, é importante que a instituição esteja engajada nesse debate. “A UFLA se notabiliza por suas contribuições às ciências agrárias, gerando conhecimento em diferentes culturas e atividades (criação de frango, peixe, gado, café, cana, eucalipto). Pensar a produção camponesa familiar e discutir nosso projeto de sociedade também deve fazer parte desse histórico de contribuições”, avalia. Celso Vallin explica que Reforma Agrária deve ser entendida como um conjunto de políticas a serem definidas e redefinidas para que haja qualidade de vida para quem está no campo. “Estão aí englobadas as técnicas produtivas, o respeito aos produtores e a garantia de comida com qualidade sobre a mesa de todos os brasileiros”. Ele cita o poeta Pedro Tierra: “A liberdade da terra e a paz no campo têm nome: Reforma Agrária” Em articulação com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), a Jornada foi realizada também em 2015, em mais de 50 instituições de ensino superior pelo Brasil – a UFLA entre elas. Entre os temas tratados, estavam: Educação do Campo, Administração Pública, Agroecologia, Direito Agrário, Alimentação e Saúde Pública, Democratização da Comunicação e parceria entre Movimentos Sociais e extensão universitária. Confira as informações sobre a Jornada de 2015 na UFLA.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.