Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Dia Internacional da Mulher terá evento na UFLA para discutir assédio sexual e moral

Publicado: Quinta, 10 Março 2016 06:41 | Última Atualização: Segunda, 07 Março 2016 07:42
cartaz-nem-tudo-flroes No dia 8 de março, em que é celebrado o Dia Internacional da Mulher, um evento especial será realizado na Universidade Federal de Lavras (UFLA), quando estará em pauta um debate importante: o assédio sexual e moral no ambiente universitário. O ato “Nem tudo são Flores – Debatendo os assédios na UFLA”, reúne a Associação dos Docentes da Universidade Federal de Lavras (Adufla), o Sindicato dos Servidores Técnicos Administrativos em Educação das Instituições Federais de Ensino Superior de Lavras (Sindufla), o Diretório Central dos Estudantes (DCE) e a Associação de Pós-Graduandos (APG), além da participação do Coletivo Mulheres da UFLA e do Levante Popular da Juventude. O objetivo da mobilização é debater e esclarecer a comunidade acadêmica sobre o que pode e o que não pode ser considerado assédio moral ou assédio sexual. Além disso, propõe-se a discutir medidas legais para coibir quaisquer tipos de abuso, formas de acolher e de apresentar os casos registrados. A programação terá início às 10 horas do dia 8 de março, com a realização de oficinas de cartazes e stencil no canteiro central da UFLA, com mobilização no câmpus e ações políticas e culturais. Na parte da tarde, às 14 horas, a palestra “Debatendo os Assédios na UFLA” terá a participação dos professores Bruno Gonçalves (DIR), Gabriela Navarro (DIR) e Catarina Dallapicula (DED), no Salão de Convenções, onde também acontecerá o Cine Debate, às 17 horas, seguido de debate, com os professores Marcelo Sevaybricker (DCH) e Catarina Dallapicula (DED). Vale destacar que o problema não é local. Debater a violência contra a mulher no ambiente público é um desafio de todos, já que os processos de apuração somente podem ser iniciados a partir de denúncia formal. A UFLA dispõe da Ouvidoria - um canal permanente de interlocução com a comunidade acadêmica e a sociedade em geral, para acolher todos os tipos de reclamação ou denúncia. Todas as manifestações são analisadas e investigadas, adotando-se procedimentos cabíveis e legais previstos. Diante da complexidade das relações sociais e de trabalho, a Direção Executiva da UFLA reconhece a importância do debate e da construção coletiva de instrumentos para tratar o assunto no âmbito da Universidade e repudia todos os tipos de violência contra a mulher. O evento está registrado na Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec).

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.