Ir direto para menu de acessibilidade.
Atenção! Você está acessando um arquivo automático de notícias e o seu conteúdo pode estar desconfigurado. Acesse as notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.

Professor da UFLA vence Prêmio de Pesquisa Básica Marcos Luiz dos Mares Guia – Jovem Pesquisador

Publicado: Terça, 06 Setembro 2016 07:06 | Última Atualização: Quarta, 24 Agosto 2016 13:15
Prêmio será concedido pela Fapemig no dia 3 de outubro, em Belo Horizonte matheus-puggina-premio-mares-guia1As pesquisas que vem sendo desenvolvidas desde o mestrado pelo professor Matheus Puggina de Freitas, do Departamento de Química da UFLA (DQI), foram reconhecidas pela Fapemig: o docente receberá o Prêmio de Pesquisa Básica Marcos Luiz dos Mares Guia, na categoria Jovem Pesquisador. A entrega será feita no dia 3 de outubro, em Belo Horizonte, em solenidade no edifício da Fiemg, às 18h30. O título da pesquisa é: “Estrutura Molecular e sua Relação com Propriedades Químicas, Físicas e Biológicas”. O dossiê descritivo enviado à Fapemig para concorrer ao prêmio reportou um histórico das pesquisas feitas pelo professor Matheus, de 1999 até hoje. “Essas pesquisas versam sobre as duas linhas em que atuo: Análise conformacional de pequenas moléculas e QSAR (Quantitative Structure-Property Relationships, uma sub-linha da área de Química Medicinal)”, conta o docente. A primeira linha busca avaliar como a estrutura tridimensional de uma molécula varia em função do tempo e do meio, através da rotação de ligações químicas (o que dá origem às formas das moléculas – conformações – ou os diferentes arranjos espaciais do átomos em uma molécula obtidos pela rotação de ligações químicas simples). A análise dos compostos é feita por meio de técnicas como espectroscopias no infravermelho e ressonância magnética nuclear, e a interpretação dos resultados envolve simulação computacional. “Dessa forma, pode-se compreender os fenômenos que governam a estabilidade de conformações de estruturas químicas e, consequentemente, é possível prever a geometria de moléculas análogas, que tem relação com propriedades químicas (por exemplo, reatividade de reagentes químicos), físicas (tais como resistência de materiais) e biológicas (como sua atividade farmacológica ou herbicida)”, explica o professor. Na segunda linha de pesquisa (QSAR), a modelagem computacional é utilizada para encontrar uma relação matemática entre estrutura química e propriedades macroscópicas de substâncias (por exemplo, bioatividade de candidatos a fármacos, sorção no solo de herbicidas e bioconcentração de poluentes ambientais). Nessa linha, o professor descreve um método desenvolvido na UFLA: “Desenvolvemos em 2005 e aprimoramos desde então o MIA-QSAR (Multivariate Image Analysis applied to QSAR). Segundo esse método, a correlação da estrutura química com sua propriedade de interesse é realizada por meio de descritores moleculares obtidos da imagem da estrutura química – isto é, os descritores são representados pelos pixels dessa imagem. A alteração nas coordenadas dos pixels em uma imagem codifica as modificações na estrutura molecular, que, por sua vez, explicam a alteração nas propriedades químicas, físicas e biológicas das moléculas. Essa é uma maneira de desenhar racionalmente novos fármacos e agroquímicos, sem a necessidade de se experimentar por tentativa e erro possíveis candidatos a compostos de interesse”. Prêmio Marcos Luiz dos Mares Guia de Pesquisa Básica Criado pelo Governo do Estado e concedido pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), o Prêmio contemplou três pesquisadores mineiros. Os agraciados se distinguiram na condução de estudos e pesquisas básicas que contribuíram para o avanço do conhecimento científico e apresentam potencial para subsidiar o desenvolvimento de soluções para problemas da humanidade. O professor Matheus receberá certificado, medalha e R$6 mil de premiação. “O prêmio é individual, mas a pesquisa não poderia ter se desenvolvido ao longo de 11 anos de UFLA se não fosse pelo excelente ambiente de trabalho e pelos colegas do DQI, especialmente pelos estudantes do Grupo de Química Computacional e pelos meus amigos e parceiros, professores Elaine Fontes Ferreira da Cunha e Teodorico de Castro Ramalho. Também fizeram parte das pesquisas colaboradores de outras instituições do Brasil e do exterior”, enalteceu. Na categoria Pesquisador, Elizabeth Pacheco Batista Fontes, da Universidade Federal de Viçosa, foi a vencedora do prêmio, com o trabalho: “Novos mecanismos de imunidade antiviral e respostas adaptativas a estresses fisiológicos em plantas”. José Barbosa dos Santos, da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, e Daniele da Glória de Souza, da Universidade Federal de Minas Gerais, receberão Menção Honrosa. Eles fizeram os trabalhos “Impacto ambiental do uso de herbicidas e técnicas de descontaminação ambiental” e “Estudo dos mecanismos imunes envolvidos na resposta do hospedeiro em modelos experimentais de dengue em camundongos”, respectivamente.