Ir direto para menu de acessibilidade.
DICAS DE PORTUGUÊS

Para reescrever sua carreira - parte 1

Escrito por DCOM | Publicado: Segunda, 08 Junho 2020 13:57 | Última Atualização: Segunda, 15 Junho 2020 13:06 | Acessos: 321
Gentileza solicitar descrição da imagem

A partir desta semana, abordaremos as 15 maiores dificuldades com a língua portuguesa que incomodam alguns profissionais. Embora algumas atuações exijam uma produção oral ou escrita mais frequente, como docência e advocacia, muitos profissionais precisam escrever relatórios, dissertação, tese, artigo, comunicado.

Falta de clareza, prolixidade, queísmo, gerundismo, tropeços ao usar a crase, problemas de regências estão entre os assuntos que discutiremos durante algumas semanas. Nesta semana, veremos:

1 – Falta de clareza: Clareza é a qualidade essencial do texto, principalmente o informativo, seja comunicado, relatório, carta, e-mail. Obtém-se em geral a clareza por meio da disposição das orações em ordem direta, sempre que possível: sujeito, verbo e complementos, nessa ordem. Devem-se evitar orações intercaladas, mais ainda se longas, e palavras técnicas, a não ser as essenciais.


2 - Prolixidade: No texto profissional a linguagem não pode ser obstáculo para a fluência da mensagem; tem de ser veículo. Mas não pode ser cheia de orações intercaladas e ordens inversas. Deve ser correta, clara, fluente, precisa, objetiva, concisa, sem repetição de palavras e, se possível, elegante, harmoniosa, sem ecos, cacófatos (sons desagradáveis) e asperezas.


3 – Queísmo: “Que” tem muitas funções morfológicas e sintáticas, mas mesmo autores cuidadosos evitam usá-lo na mesma frase, pois o excesso de “quês” tende a tornar o texto duro e desarmonioso.


4 – Falta de concordância de verbo antes do sujeito: O verbo concorda com o sujeito, mesmo posposto. A forma adequada, nos exemplos abaixo, está entre parênteses:
“Chama-me a atenção os desdobramentos...” (Chamam-me...os)
“Falta dez minutos para terminar a sessão.” (Faltam dez)
“Basta alguns votos para concluir a contagem.” (Bastam alguns votos)
“Existe, que se sabia, bons motivos...” (Existe... bons motivos).


 Fonte: Revista Língua Portuguesa – Etimologia, Gramática, Técnica de Escrita – Ano 5 nº 63 

 Paulo Roberto Ribeiro - Dcom

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.