Ir direto para menu de acessibilidade.
COLAÇÃO DE GRAU

UFLA ultrapassa 20 mil estudantes formados na graduação

Escrito por Gláucia Mendes | Publicado: Sexta, 20 Agosto 2021 09:26 | Última Atualização: Segunda, 23 Agosto 2021 14:52 | Acessos: 1440
Gentileza solicitar descrição da imagem

Na quinta-feira (19/8), a Universidade Federal de Lavras (UFLA) finalizou as cerimônias virtuais de colação de grau de 687 estudantes que concluíram sua formação no segundo semestre letivo de 2020. Além da superação de desafios impostos pela pandemia, o momento comemorativo é marcado por um feito: a Universidade ultrapassa a marca de 20 mil profissionais formados ao longo de toda sua História.

Nos primeiros 100 anos, a Instituição graduou 9.795 novos profissionais. Em menos de 13 anos, esse número duplicou, graças à expansão de cursos, público, recursos humanos e estruturas físicas ocorridos nesse período. Mesmo no imprevisível cenário instaurado pela pandemia da Covid-19, a Universidade manteve as atividades, por meio do Estudo Remoto Emergencial (ERE), e conseguiu formar aproximadamente 1.200 profissionais no ano letivo de 2020.

“Nossa comunidade acadêmica demonstrou força e competência durante a maior pandemia que o mundo já enfrentou. Mantivemos a oferta de todos os nossos cursos de graduação, que são referência de qualidade no Brasil. Agradeço, pela Prograd, a todos os professores, estudantes e técnicos que se dedicaram e superaram muitas adversidades para que pudéssemos comemorar o sucesso de mais esse feito”, declara o pró-reitor de Graduação, professor Ronei Ximenes Martins.

No semestre letivo 2020/2, também ocorreu a colação de grau dos primeiros estudantes do curso de Medicina. Devido à diferença entre o cronograma acadêmico geral da UFLA e o cronograma de internato do curso, as solenidades foram realizadas em datas especiais. Colaram grau no período 17 estudantes da primeira turma e sete que conseguiram antecipar a formatura prevista para 2021/1.

“Desses formados, 13 entraram nos melhores programas de residência médica do País, em ótimas colocações (do 1° ao 3° lugar). Outros nove estão trabalhando em plantões em hospitais, provavelmente atuando no combate à Covid-19”, afirma a coordenadora do curso de Medicina, professora Miriam Monteiro Graciano.

O reitor, professor João Chrysostomo de Resende Junior, comemora os números institucionais, mas ressalta que ainda é grande o desafio da UFLA e do Brasil para promover maior igualdade de acesso ao ensino superior. “Esses números nos enchem de orgulho e nos dão a certeza de que vale a pena o investimento no ensino público, gratuito e de qualidade. Não há saída fora da educação. No entanto, ainda que o número de formados venha aumentando devido aos investimentos feitos a partir de 2008, o Brasil ainda precisa aumentar pelo menos em 50% o número de jovens de 18 a 24 anos no ensino superior.”

De acordo com o reitor, países desenvolvidos têm acima de 30% dos jovens de 18 a 24 anos cursando o ensino superior, enquanto no Brasil esse número ainda está em torno de 20%. “Se queremos um País soberano e uma sociedade com menos desigualdades, é necessário investir em todos os níveis educacionais, incluindo o ensino superior”, afirma.