Ir direto para menu de acessibilidade.
Inovação e Tecnologia

3º Simpósio de Física, Tecnologia e Inovação aborda inovação tecnológica na Universidade

Escrito por Samara Avelar | Publicado: Segunda, 17 Setembro 2018 13:31 | Última Atualização: Terça, 18 Setembro 2018 09:37 | Acessos: 1116
Gentileza solicitar descrição da imagem

Teve início nesta segunda-feira (17/9) a terceira edição do Simpósio de Física, Tecnologia e Inovação, realizado pelo Departamento de Física da Universidade Federal de Lavras (DFI/UFLA). O evento este ano tem como foco a importância da inovação tecnológica na Universidade, buscando transformar as pesquisas em produtos que sejam capazes de gerar tecnologia e elevar o nível de vida da sociedade.

A vice-reitora da UFLA, professora Édila Von Pinho, abriu oficialmente os trabalhos, reforçando a importância do tema debatido para a UFLA. “Temos 110 anos como Instituição, mas somos uma Universidade ainda jovem, completando 24 anos. Sempre fomos reconhecidos pelo nosso trabalho na área de ciências agrárias, mas hoje temos um promissor cenário capaz de impulsionar novas tecnologias devido à criação das novas engenharias, incluindo a engenharia física. Esperamos que as diferentes áreas possam trabalhar de forma integrada e em sintonia”, ressaltou. Édila reforçou ainda a necessidade de desenvolver pesquisas que deem retorno à sociedade. “Como instituição pública, precisamos mostrar todos os dias a quem nos financia que vale a pena continuar investido no ensino público e na ciência, pois é nas universidades que saem as inovações”, concluiu.

A primeira palestra do simpósio foi ministrada pelo professor e pesquisador do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC/USP), Vanderlei Salvador Bagnato. O cientista é membro da Academia Brasileira de Ciências, da The Academy of Sciences for the Developing World, da Academia Pontifícia de Ciências do Vaticano, e da National Academy of Sciences (USA). Ele explica que, no Centro de Pesquisa que coordena, as ciências básicas e aplicadas convivem em harmonia. “Quem mais gera inovação é quem faz ciência básica. A universidade é o lugar das ideias, mas quando se fala em inovação, essa ideia precisa ter aplicabilidade direta. Por isso é preciso ter a inovação como estado de alerta, e fazer com que todos estejam preparados para identificar àquilo que pode gerar novos produtos”, ressalta.

Bagnato desenvolve projetos em física atômica e aplicações da óptica nas Ciências da Saúde, com foco no tratamento do câncer e controle microbiológico. Para ele, nada é mais importante que a saúde e a educação. “A ciência deve servir para promover melhorias para as pessoas”, reforça. O pesquisador enfatizou, ainda, o dever das instituições em preparar a sociedade para o capital científico e apresentou os principais projetos desenvolvidos por sua equipe na IFSC/USP.

Programação

O 3º Simpósio de Física, Tecnologia e Inovação vai até terça-feira (18/9) e conta com debates e mesas redondas para abordar o empreendedorismo, parcerias com indústrias, aspectos legais e os desafios para transformar ciência em riqueza. Mais informações pelo site da DFI.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.