Ir direto para menu de acessibilidade.

Receptor da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo (RBMC) é instalado na UFLA

Escrito por Samara Avelar | Publicado: Quinta, 07 Junho 2018 14:13 | Última Atualização: Quarta, 15 Agosto 2018 16:04 | Acessos: 482
O professor do DEG, Rodrigo Machado, os técnicos
do IBGE Écio Silva e Américo Ferreira, e o chefe
da Divisão de Ordenamento Fundiário
e superintendente substituto do Incra,
Marcelo da Cunha, acompanharam a instalação

Na última terça-feira (5/6), representantes e técnicos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estiveram na Universidade Federal de Lavras (UFLA) para instalar um receptor da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo (RBMC), que é a principal estrutura geodésica no território nacional. O equipamento capta sinais de satélite para o levantamento de dados para o Sistema de Posicionamento Global (GPS), sendo o ponto de partida para o georreferencimento de imóveis rurais.

De acordo com o professor do Departamento de Engenharia (DEG/UFLA), Rodrigo Villela Machado, a Universidade passa a manter a guarda do equipamento, que deve funcionar 24 horas por dia. “Quanto mais próxima a área estiver do aparelho base, mais rápida é feita a determinação do posicionamento geodésico. Além de ser uma necessidade para a RBMC, vai contribuir como monitoramento para fins de pesquisas ligadas à agricultura de precisão, equipamentos agrícolas, veículos autônomos, e outras que utilizem sistema de posicionamento”, explica.  

A instalação foi feita no prédio do
Departamento de Engenharia da UFLA

O chefe da Divisão de Ordenamento Fundiário e superintendente substituto do Incra, Marcelo da Cunha, explica a importância da ampliação da RBMC para a atualização dos dados geodésicos do país. “Todo país precisa ter seus dados geodésicos atualizados e em cima de um sistema de referência. Em um território de dimensões continentais como o do Brasil, precisamos densificar o máximo possível essa rede. Para o Sul de Minas, é estratégico ter um equipamento na UFLA para um transporte de coordenadas mais ágil e eficiente”, ressalta. De acordo com Marcelo, existem cerca de cem equipamentos para coletar coordenadas para análise espacial em todo o território brasileiro.

 

O equipamento capta informações que possibilitam
a definição de posicionamento geodésico

Desde 2001, com a Lei 10.267, os imóveis rurais são obrigados a descrever seus limites, características e confrontações por meio do georreferenciamento. A análise espacial desses terrenos também contribui para a segurança jurídica dos registros dos imóveis, pois as coordenadas são imutáveis, tornando as delimitações mais precisas. 

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.