Ir direto para menu de acessibilidade.
CONTABILIADE

Ranking do Tesouro Nacional traz UFLA no pódio das universidades federais com melhor qualidade das informações de custo

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Sexta, 13 Novembro 2020 13:14 | Última Atualização: Segunda, 16 Novembro 2020 15:05 | Acessos: 938
Gentileza solicitar descrição da imagem

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) aparece no pódio de um ranking divulgado pela Secretaria do Tesouro Nacional, que apresenta as instituições com melhor qualidade de informações de custo. Na classificação das 63 universidades federais, a UFLA é a terceira com melhor desempenho do País. A informação está inserida no Boletim Foco em Custos, lançado nesta semana pelo Tesouro Nacional, e considera dados de custo de 2019.

A avaliação verifica, nas instituições, três quesitos: a regularidade dos registros contábeis relativos a custos de funcionamento em 2019; a variação e consequente dispersão dessa regularidade; e o detalhamento dos custos a partir de ferramentas disponíveis no Sistema Integrado de Administração Financeira - Siafi (personalização). A nota das instituições é a soma ponderada desses indicadores, com peso de 50% para regularidade, 10% para dispersão e 40% para personalização.

De acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, o objetivo do ranking não é apenas reconhecer o mérito dos órgão que se destacaram, mas estimular a constante melhoria da mensuração e da divulgação dessas informações. O diretor de Contabilidade da UFLA, Fauze Alvarenga Carvalho, explica que o trabalho de registro de custos desenvolvido pela Pró-Reitoria de Planejamento e Gestão (Proplag) iniciou-se em 2016, com o estudo para definir as diretrizes que a UFLA iria adotar. Pautada nessas diretrizes, a equipe da Diretoria de Contabilidade empenhou esforços para mapear a UFLA, subdividindo-a em unidades de custos.

Em 2018, definidas as unidades de custos, elas foram codificadas no Siafi, utilizando a Unidade Gestora Responsável (UGR) como parâmetro para a contabilização. A partir de agosto de 2018, passou-se a realizar a inserção dos códigos criados (UGR) no momento de cada pagamento, sendo possível a identificação da alocação dos custos. “Ressaltamos que continuamos trabalhando no aperfeiçoamento da apuração dos custos na Universidade para subsidiar os gestores na tomada de decisão e a promoção da transparência e responsabilidade fiscal", diz Fauze, acrescentando que "o reconhecimento da UFLA em 3º lugar só foi possível graças à dedicação e ao esforço do trabalho em conjunto das equipes da Dcont, Tesouraria, Diretoria de Planejamento, Orçamento e Gestão de Aquisições (DPO) e demais diretorias envolvidas, com o apoio da direção executiva”.

O pró-reitor de Planejamento e Gestão, professor Márcio Machado Ladeira, avalia que o resultado demonstra o comprometimento de toda a Proplag com o desenvolvimento de ferramentas que auxiliem na melhoria dos processos de gestão da UFLA e a busca na eficiência de utilização dos recursos públicos. “As equipes da Proplag nos dão grande segurança e são orgulho para os gestores”.

O reitor da UFLA, professor João Chrysostomo de Resende Júnior, também comenta o desempenho da UFLA: “Esse resultado vem coroar o esforço de vários servidores da Instituição para a melhoria dos processos, a responsabilidade com os recursos públicos e a transparência da prestação de contas à sociedade. Para mim, é um orgulho muito grande ter estado diante da Proplag na ocasião desta implantação, mas reforço que o gestor é apenas um delineador de diretrizes, e quem 'faz acontecer' são os servidores, que trabalham diretamente com os diversos assuntos. Esse caso explicita aquilo que já tenho como conceito há muito tempo: a UFLA tem um quadro de servidores que enche de orgulho a todos nós, pela competência, comprometimento e cuidado com a coisa pública. Parabéns a todos!”

 

Podium apresentado na página 20 do Boletim da Secretaria do Tesouro Nacional

 

Mais sobre a publicação do Tesouro Nacional

Além de classificar a qualidade de informações sobre custos nas universidades, o Boletim o faz com três outros grupos de instituições: as setoriais de custos dos Ministérios, AGU e Comandos Militares; agências governamentais e empresas estatais dependentes.

A publicação traz uma visão geral dos custos do Governo Federal. Declara buscar incentivar e subsidiar a elaboração de modelos personalizados de custos, capazes de atender à gestão dos órgãos públicos, tanto sob a perspectiva estratégica, voltada aos programas de governo, quanto sob a perspectiva operacional, ligada ao desempenho de cada órgão.

No documento há a ponderação de que as organizações devem ser avaliadas não só pelo que arrecadam e gastam, sendo necessário considerar também o serviço que prestam, o valor público das atividades que entregam à sociedade. O documento ressalta que, ainda que os dados considerados no Boletim não estejam analisados de forma associada com as entregas feitas pelas instituições à comunidade, os dados constituem informações financeiras objetivas relevantes sobre os custos da Administração Pública Federal, e apresentam o efetivo consumo do patrimônio público na prestação dos bens e serviços à sociedade.

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.