Ir direto para menu de acessibilidade.

Estudo utiliza redes complexas para simular eleições simples

Escrito por Karina Mascarenhas | Publicado: Quinta, 28 Junho 2018 12:19 | Última Atualização: Quarta, 04 Julho 2018 09:52 | Acessos: 228

  Todos os dias ao acessar a rede mundial de computadores compartilhamos milhares de informações. Utilizamos a internet para trabalhar, estudar ou como entretenimento, sem, muitas vezes, pensar nos múltiplos fatores que fazem com que nos conectemos uns aos outros. Diversas teorias estudam os sistemas que compõem o nosso mundo virtual, uma delas é a das redes complexas.

Essa teoria avalia como as coisas se conectam e podem ser usadas em diversas redes, como, por exemplo, as sociais: “Redes complexas é uma ferramenta utilizada para modelar sistemas reais. No facebook, por exemplo, os nós dessa rede representariam as pessoas e as ligações entre esses nós seriam representadas pelos links de amizade nessa rede social”, explica a professora do Departamento de Física da Universidade Federal de Lavras (DFI/UFLA) Angélica Sousa da Mata.

Esses sistemas complexos começaram a ganhar mais interesse dos físicos no final do século XX; com os avanços das pesquisas, muitas ferramentas já foram incorporadas ao nosso dia a dia, como ilustra o especialista em Física Estatística Fabiano Lemes Ribeiro, também do DFI/UFLA. “Essa ideia de redes complexas é muito utilizada principalmente por empresas para tentar vender produtos. Quando você tem plataformas como o facebook que colhe dados de milhões de pessoas diariamente a cada segundo, as empresas utilizam essas informações para tentar traçar o perfil do consumidor e, consequentemente, conseguir vender o seu produto". 

Como as redes complexas é uma ferramenta que pode ser utilizada para modelar várias situações, uma pesquisa de mestrado está avaliando alguns fenômenos que surgem nessa rede por meio de um processo  eleitoral. A pesquisa “Efeitos da topologia da rede em dinâmicas sociais” é conduzida por Gabriel Gomides Piva, e está em fase de conclusão. O mestrando utilizou um modelo votante simples, considerando dois candidatos A e B. “ Eu avaliei como ocorre o processo de formação de opinião em uma população, devido à interação entre as pessoas na rede, levando em consideração algumas características que poderiam representar fatores, como afinidade entre as pessoas, a influência da mídia ou ainda a propagação de informações por meio das redes sociais. Nesse modelo simples, as pessoas podem mudar de opinião de acordo com a opinião de seus contatos, e o estado de equilíbrio é atingido quando todas passam a  ter  a mesma opinião, isto é, chegam a um  consenso".

O objetivo do estudo, conforme esclarece o professor Fabiano, foi identificar os padrões nas tomadas de decisões dos eleitores, como, por exemplo: como os amigos de um eleitor influencia na tomada de decisões, ou como a mídia com suas propagandas influencia esse eleitor. Apesar de o modelo utilizado por Gabriel ser uma versão simplificada de uma eleição real, não prevendo de fato o resultado das eleições, Angélica diz que é possível torná-lo mais real com a utilização de outras ferramentas. “Poderiam ser usadas técnicas computacionais que envolvem inteligência artificial ou aprendizado de máquinas que poderiam pegar dados das eleições anteriores e, assim, construiriam um algoritmo que poderia prever um certo padrão. Aí, sim, poderíamos ter uma previsão mais concreta de uma eleição".

O modelo do votante em redes complexas utilizado por Gabriel não é novidade; porém, sua pesquisa é de grande contribuição acadêmica de acordo com os orientadores. “Mesmo trabalhando com redes simuladas no computador, essas redes possuem características mais próximas das redes sociais reais”, diz Angélica.  Os resultados das análises dos dados mostraram aos pesquisadores que quando se leva em consideração também a distância geográfica entre as pessoas que se relacionam, a distribuição de conectividade da rede é alterada, gerando um comportamento diferente para a relação entre o tempo de consenso e o tamanho da rede.

As redes sociais deverão ser uma das ferramentas mais utilizadas nas eleições de 2018, oferecendo aos candidatos um mecanismo poderoso para atingir seus eleitores. Segundo o relatório Reuters Digital News Report de 2016, 51% das pessoas dizem que usam mídias sociais como uma fonte de notícias por semana, dos quais 12% da amostra aponta as mídias sociais como principal fonte de notícia. Outro dado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE):  94,2% dos brasileiros usam internet para trocar mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail. A grande rede mundial de computadores está presente em 48,1 milhões de residências, que representam 69,3% dos domicílios (Pnad Contínua – TIC 2016).

Reportagem e imagens:  Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom
Edição do vídeo:  Mayara Toyama, bolsista Fapemig/Dcom

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.