Ir direto para menu de acessibilidade.
DESENVOLVIMENTO INFANTIL

Atividades simples ajudam no desenvolvimento de crianças que enfrentam problemas de saúde

Escrito por Ana Eliza Alvim | Publicado: Quarta, 27 Março 2019 08:49 | Última Atualização: Sexta, 12 Abril 2019 13:13 | Acessos: 944

O estudo desenvolvido na UFLA resultou na primeira dissertação do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGDSA). Um protocolo que orienta os pais a promoverem atividades de estímulo foi organizado a partir da pesquisa.

Gentileza solicitar descrição da imagem

Quando uma criança enfrenta, logo no início da vida, uma doença ou uma situação mais delicada de saúde, por vários motivos isso pode interferir no seu desenvolvimento, mesmo que de forma sutil. Um bebê pode ter atrasos na fala e na evolução dos movimentos, por exemplo, o que acarreta consequências futuras. Por isso é importante que esses pequenos atrasos sejam identificados rapidamente. Assim, a família pode entrar em cena e estimular a criança com atividades que permitirão reverter o quadro. Brincar de “aviãozinho” com o bebê de quatro meses pode ser um exercício importante para ajudar a desenvolver a musculatura do pescoço, por exemplo. Foi pensando nesses casos que a enfermeira Flávia Alvarenga Fernandes Bruzi produziu sua dissertação de mestrado - a primeira defendida no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Lavras (PPGDSA/UFLA).

Os resultados do estudo mostraram que 53,37% das crianças avaliadas apresentavam algum tipo de atraso. Esse percentual caiu para 14,41% depois que os pais ou responsáveis realizaram atividades diárias de estímulo com as crianças, por períodos de três e seis meses. Eles receberam da pesquisadora a orientação sobre quais atividades promover e como fazer. Esse roteiro foi elaborado a partir de informações extraídas de três manuais do Ministério da Saúde, que foram compiladas por Flávia e deram origem a um protocolo de intervenções que pode ser utilizado por profissionais de saúde em qualquer unidade de atendimento, para orientação aos familiares. “O trabalho mostrou que intervenções muito simples - medidas fáceis de serem replicadas - são eficazes para prevenir o atraso de desenvolvimento e mesmo reverter os casos já existentes. Em um período muito curto - de apenas três meses - a maior parte das crianças já consegue alcançar o desenvolvimento compatível com a idade”, avalia Flávia.

O passo a passo da pesquisa

O estudo foi desenvolvido com 118 crianças de até 5 anos de idade, assistidas pelo Centro Estadual de Atenção Especializada (Ceae), referência para dez municípios da região de Lavras. São crianças que passaram ou passam por diferentes problemas de saúde, como nascimento prematuro, infecções por toxoplasmose e outras doenças, baixo peso persistente e outros muitos casos que exigem atenção especial. Inicialmente, a pesquisadora realizou o diagnóstico para identificar quais delas possuíam algum tipo de atraso no desenvolvimento. A maior parte (53,37%) foi identificada com potencial de atraso. O trabalho permitiu também observar que existe uma relação entre o atraso no desenvolvimento e algumas circunstâncias que colaboram para esse atraso, como o uso contínuo de medicamentos pela criança e um histórico de internações frequentes, por exemplo.

Depois da primeira avaliação, as famílias das crianças com possível atraso foram orientadas a realizar pequenos exercícios e atividades diariamente. Nova avaliação foi feita depois de três meses, quando a pesquisadora conseguiu constatar os efeitos do programa de atividades: houve redução significativa no número de crianças que permaneciam com sinais de desenvolvimento aquém do esperado para a idade. Os estímulos continuaram e, passados mais três meses, houve outra etapa de avaliação. Já nessa fase, não se observou alteração significativa dos resultados, ficando evidente que a evolução das crianças ocorre mesmo dentro de um curto espaço de tempo.

Para que os pais e familiares mantivessem a rotina de atividades, Flávia considera que foi determinante o contato contínuo que manteve com eles. “Frequentei o Ceae durante todo esse tempo, e todas as vezes que encontrava as famílias conversávamos sobre as atividades. Foi uma forma importante de mantê-los engajados com o protocolo”, diz. “Outro ponto importante é ressaltar que os avanços ocorrem mais facilmente com crianças menores de três anos. É mais promissor reverter atrasos ainda nessa fase da vida. Como os atrasos podem ser sutis, muitas vezes pais e médicos não os identificam prontamente, e as intervenções acabam ocorrendo apenas quando a criança está maior. Por isso, é tão importante identificar precocemente e aplicar o protocolo”, explica.

A primeira defesa do PPGDSAdefesa ppgdsa

A dissertação “Estimulação neuropsicomotora do desenvolvimento infantil: estudo de intervenção na atenção secundária”, desenvolvida por Flávia, inaugurou o histórico de defesas no PPGDSA. A orientação foi da professora Stela Márcia Pereira, com co-orientação da professora Miriam Monteiro de Castro Graciano. As atividades do projeto contaram com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Lavras.

Para Stela, o estudo cumpre a principal meta do Programa: “gerar estudos que não apenas tenham mérito acadêmico e de produção científica, mas que ofereçam contrapartida à população investigada. É um trabalho de cunho educativo e preventivo, capaz de auxiliar essa população que enfrenta problemas de saúde, possui vulnerabilidade socioeconômica e, em sua maioria, precisa ultrapassar barreiras geográficas para o tratamento, por serem provenientes de pequenos municípios da microrregião de Lavras. Nesses casos, a prevenção e atuação precoce são essenciais”.

Para celebrar o marco da primeira defesa, reuniram-se no evento de apresentação da tese a chefe de gabinete da UFLA, professora Joziana Muniz Barçante, representando a reitoria; o pró-reitor de Pós-Graduação, professor Rafael Pio; o pró-reitor de Pesquisa, professor Teodorico Ramalho; o chefe do Departamento de Ciências da Saúde (DSA), professor Thales Barçante; e o coordenador do PPGDSA, professor Fernando Henrique Ferrari Alves. Integraram a banca, além de orientadora, os professores Marcelo Ferreira Viana (Unilavras) e Camila Souza de Oliveira Guimarães (DSA/UFLA).

O PPGDSA, de acordo com o professor Fernando durante as apresentações, vem cumprindo sua caminhada acadêmico-científica e persegue os melhores resultados. “Começamos em 2017 com 14 estudantes selecionados; hoje já são 50 matriculados. Com esta defesa, damos outro passo importante, histórico”.

Flávia é integrante do quadro de servidores da UFLA e comenta que o apoio da Instituição foi essencial para que o trabalho chegasse a resultados tão úteis. “Tive uma dispensa parcial de carga horária por 12 meses, o que me

Flávia e os membros da banca: da esq. p/ dir. - Stela, Flávia, Marcelo e Camila.

possibilitou vivenciar a rotina das famílias no Ceae e garantir a qualidade da pesquisa”.

A dissertação estará disponível on-line em breve. Consulte: http://repositorio.ufla.br/

Conheça o Protocolo de Intervenções e Estimulação proposto pela pesquisa.

 

 

Edição de vídeo: Rafael de Paiva - estagiário Dcom/UFLA

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.