Ir direto para menu de acessibilidade.
Biofortificação

Super Arroz: pesquisas utilizam a biofortificação para melhorar as concentrações de nutrientes no cereal

Escrito por DCOM | Publicado: Sexta, 31 Mai 2019 12:40 | Última Atualização: Sexta, 31 Mai 2019 12:40 | Acessos: 665
plantação de arroz em campo experimental da UFLA
Cultivo de arroz na Fazenda Experimental da UFLA (Foto: Karina Mascarenhas)

Parte da dieta alimentar de milhões de pessoas, o arroz é um dos cerais mais produzidos no mundo. Sua importância é tamanha que seu cultivo é realizado nos cinco continentes. Dados da Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO) apontam que o consumo brasileiro de arroz é de aproximadamente 52,5 quilogramas por habitante por ano. Fonte de carboidratos, proteínas, sais minerais e vitaminas, o alimento é um dos grandes aliados para conter a fome no mundo.

Na Universidade Federal de Lavras(UFLA),  a professora Flávia Barbosa Silva Botelho coordena o Programa Melhor Arroz, realizado em parceria com a Epamig e a Embrapa Arroz e Feijão. Entre as linhas de pesquisa desenvolvidas pelo programa, há cerca de dois anos teve início a biofortificação com zinco e selênio. “O Departamento de Ciência do Solo (DCS) entra com a biofortificação agronômica, e nós entramos com a biofortificação genética, que estuda a variabilidade genética dos nossos materiais para que o produtor possa aplicar zinco ou selênio de forma que esse nutriente possa ser absorvido da melhor forma pela planta. Assim, teremos um grão totalmente biofortificado por zinco e selênio”, explica Flávia.

De acordo com a pesquisadora, são avaliados mais de 40 genótipos do banco de elite de grãos de arroz - que são sementes que já foram testadas e estão no programa de melhoramento há mais de oito anos. “Começamos primeiro testando 20 linhagens elites do nosso programa, e verificamos que algumas absorvem a quantidade perfeita de zinco para recomendação. No momento em que lançarmos essas linhagens com melhores resultados, elas serão um diferencial de escolha pelo seu apelo político e social”.

Após identificarmos as linhagens com maior potencial de absorção dos nutrientes, elas foram plantadas na Fazenda Experimental da UFLA. Há um experimento de arroz biofortificado com zinco, outro com selênio e um blend com ambos. Eles serão avaliados em breve. A pós-doutoranda em Ciência no Solo, Ana Paula Corguinha, explica como é feita a parceria. “Utilizamos três variedades dos experimentos da professora Flávia, e fazemos a aplicação dos micronutrientes via solo ou de maneira foliar”. Após avaliação da produtividade, as amostras de grãos e de folha que estão sendo cultivadas são encaminhadas para análise das concentrações de micronutrientes para avaliar quais variedades tiveram melhor resposta às aplicações.

Para a professora Flávia, o foco principal para o consumo biofortificado de arroz seriam as escolas e creches públicas como forma de melhorar a alimentação das crianças, e também de famílias de baixa renda, já que o arroz é a base de nossa dieta e dessa forma contribuiria para diminuir a chamada fome oculta. “O arroz é uma questão social; trabalhando com essa cultura, estamos alimentando o mundo.”

 

Reportagem: Karina Mascarenhas, jornalista - bolsista Dcom/Fapemig

Edição do Vídeo: Rafael de Paiva  - estagiário  Dcom/UFLA 

Assunto(s): Arroz , Cereal , DAG , DCS , Biofortificação

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.