Ir direto para menu de acessibilidade.
Menopausa

Estudo mostra a eficiência da folha de amoreira e da linhaça no combate aos sintomas relacionados à menopausa

Escrito por DCOM | Publicado: Terça, 13 Agosto 2019 14:49 | Última Atualização: Quarta, 14 Agosto 2019 12:12 | Acessos: 790

Substâncias naturais foram testadas como forma de diminuir o uso de hormônios sintéticos e os resultados foram surpreendentes.

professor e pesquisadora

A menopausa é um período inevitável na vida das mulheres, no qual há uma redução da produção hormonal, o que leva a uma série de consequências para o organismo. Com o objetivo de proporcionar melhor qualidade de vida durante essa fase, pesquisadores do Departamento de Ciências da Saúde (DSA) da UFLA estudaram os efeitos das folhas de amoreira e da linhaça como forma de amenizar os sintomas promovidos pela redução hormonal.

O estudo faz parte da dissertação de mestrado da nutricionista Jéssica Petrine Castro Pereira, sob orientação do professor Bruno Del Bianco Borges. Conforme disse o professor, a menopausa ocorre devido à falência dos ovários, que diminuem a concentração de diversos hormônios, dentre eles o estrógeno e a progesterona. Essa redução hormonal pode levar a problemas cardiovasculares, perda óssea (osteoporose), aumento do ganho de peso, alterações neurológicas, entre outros sintomas. “O estrógeno possui vários efeitos benéficos para o organismo da mulher: ele protege os ossos, o coração e os neurônios; além disso diminui a vontade de ingestão de alimentos, proporcionando menor ganho de peso.”

Atualmente, uma das alternativas da medicina para aliviar os sintomas da menopausa é o uso de hormônios sintéticos. Por isso, os pesquisadores buscaram alternativas naturais que já são popularmente conhecidas como grandes aliados das mulheres. “A linhaça e a folha de amoreira são citadas na literatura, pois contêm grandes quantidades de fitoestrógenos, que são moléculas que possuem o efeito do hormônio estrógeno no organismo e ajudam a aliviar os sintomas da menopausa”, explica Bruno.menopausa 3

Para o estudo, que teve início em 2017, os cientistas retiraram os ovários de ratas para diminuir a concentração de estrógeno no organismo. A partir de então, os animais foram separados em grupos e receberam diariamente, durante dois meses, diferentes suplementações: um grupo só com a linhaça, outro só com a folha de amoreira, um com as duas substâncias, outro com o hormônio estrógeno sintético e ainda um grupo que foi tratado só com salina - um efeito placebo. “Toda semana as ratas foram pesadas e, ao final do experimento, amostras de sangue e de tecido foram coletadas para a realização de diversos exames, como colesterol total, triglicerídeos, análise de toxicidade, entre outros”, diz Jéssica.

Os pesquisadores descobriram então que os animais tratados com linhaça e folhas de amoreira tiveram resultados bem parecidos, apresentando reduções no ganho de peso, colesterol total, colesterol ruim (LDL) e também de triglicerídeos. Além disso, de acordo com os cientistas, esses animais alimentados com linhaça e/ou folha de amoreira tiveram menor perda óssea, se comparados ao grupo do placebo. Os resultados são bem parecidos com o grupo tratado com estrógeno sintético. “Com isso, podemos demonstrar que a suplementação de linhaça e/ou folha de amoreira tiveram um resultado benéfico para a saúde desses animais, demonstrando, assim, que essas substâncias podem ser um adicional à melhora desses sintomas causados pela falta dos estrogênios. A pesquisa continua em andamento para investigarmos melhor esses mecanismos de ação e, futuramente, testes clínicos em mulheres na menopausa poderão ser realizados para entender melhor os benefícios dessa suplementação no organismo feminino”, conclui o professor Bruno.

 

 

Reportagem: Karina Mascarenhas, jornalista - bolsista Dcom/Fapemig

Imagens: Eder Spuri - bolsista Dcom/Fapemig

Edição do Vídeo: Rafael de Paiva  - estagiário  Dcom/UFLA 

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.