Ir direto para menu de acessibilidade.
SAÚDE

Pesquisa realiza acompanhamento do estado nutricional e dos modos de vida de crianças e adolescentes

Escrito por Eder Spuri | Publicado: Terça, 28 Julho 2020 09:46 | Última Atualização: Terça, 28 Julho 2020 13:10 | Acessos: 275

Os estudos apontam que 26,3% das crianças e 27,8% dos adolescentes do projeto Movica, em situação de vulnerabilidade, apresentaram anemia em função da deficiência de ferro na alimentação

Gentileza solicitar descrição da imagem

 Uma boa manutenção da saúde e um envelhecimento saudável estão intimamente relacionados com os hábitos alimentares e a carência ou excesso de nutrientes no organismo. Algumas doenças, sejam elas crônicas, hereditárias ou adquiridas, podem se manifestar ainda nos estágios iniciais da vida e, sendo assim, é essencial, durante a infância, a criação de bons hábitos, que se perpetuarão ao longo da vida.

Percebendo que esses são temas importantes para promoção e melhoria das condições de vida da população, um estudo desenvolvido pelo Departamento de Nutrição da UFLA, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Social de Lavras, busca realizar, sob a coordenação das professoras Camila Maria de Melo e Maysa Helena Toloni, um diagnóstico sobre o estado nutricional e modos de vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade da Escola Municipal José Serafim.

Um dos resultados obtidos nos estágios iniciais está relacionado com casos de carência nutricional, já que 26,3% das crianças e 27,8% dos adolescentes apresentaram anemia em função da deficiência de ferro na alimentação. A ausência desse nutriente pode ocasionar falta de apetite, cansaço, sonolência e comprometer a capacidade cognitiva e o desenvolvimento físico e intelectual. Outro ponto também observado na dieta desses grupos foi a ingestão de alimentos ultra processados, que são produzidos industrialmente, ricos em açúcares, corantes, gorduras. Buscando a prevenção e tratamento de quadros como os de anemia, uma das abordagens do grupo de pesquisadores é a orientação para que sejam incluídos alimentos fontes de vitaminas C, A e ferro na alimentação das crianças e adolescentes. 

Estudantes de graduação e pós-graduação atuam no projeto “Movica - Modos de vida de crianças e adolescentes em vulnerabilidade social: um estudo de segmento”, realizando avaliações nutricionais e ações direcionadas à educação alimentar. As atividades são realizadas no período do contraturno escolar, no “Instituto Sete Gerações”, associação sem fins lucrativos que promove ações voltadas para educação, assistência social, esportes, cultura, saúde. 

Durante o ano de 2019, as intervenções educativas com 44 crianças e adolescentes, com idade entre 6 a 14 anos, de ambos os sexos, ocorreram com frequência mensal. O diagnóstico nutricional é feito por meio da avaliação dos hábitos alimentares, coleta de amostra de sangue capilar (ponta do dedo), indicadores antropométricos (peso, estatura e índice de massa corporal) e avaliações de modos de vida, como hábitos relacionados à prática de atividades físicas, de saúde e de sono. 

As determinantes sociais e a insegurança alimentar também são elementos estruturais que  constituem barreiras à promoção de hábitos saudáveis e acesso à alimentos, por exemplo, in natura, diversificados e ricos em nutrientes. De acordo com Milena Serenini, nutricionista e pós-graduanda da Universidade Federal de São Paulo, que também atua como supervisora no projeto Movica, “as crianças em vulnerabilidade social têm menos acesso a programas de saúde, bem como a alimentos em quantidade e qualidade adequados, e, infelizmente, a insegurança alimentar e nutricional é comum nessa população”.  

Iniciado no ano de 2019, realizado por segmento e ainda em fase de execução, o estudo mostra ser possível criar medidas educativas que acompanhem o modo de vida dos diferentes alunos e que, além disso, os hábitos de vida podem se configurar como fatores determinantes na condição de saúde, conforme aponta Camila: “uma alimentação de má qualidade, pobre em nutrientes essenciais e rica em alimentos ultra processados, além do sedentarismo e hábitos de sono ruins, podem contribuir para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Essas doenças estão diretamente relacionadas ao excesso de peso e obesidade, que podem se manifestar ainda na infância”.  Pensado inicialmente para se desenvolver em um período de 5 anos, a pesquisa pretende avaliar a qualidade do sono, nível de atividade física fora do espaço escolar e segurança alimentar, por meio de entrevistas.

Avaliar os modos de vida e o estado nutricional é essencial para o desenvolvimento de políticas públicas que contribuam para melhoria das condições de saúde dessas crianças e adolescentes. “Conhecer os modos de vida desse público, bem como os indicadores de saúde dos grupos mais vulneráveis nos traz subsídio e incentivo aos gestores para a criação no município de equipamentos de segurança alimentar e nutricional que promovam o direito humano à alimentação adequada, como cozinhas comunitárias, banco de alimentos e reativação do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional”, explica a professora Maysa. 

O envelhecimento saudável está relacionado não somente a uma boa alimentação em termos de quantidade e qualidade, como também ao bem-estar físico e psicológico, estando muito além do que apenas a ausência de doenças. Ações pontuais e de longo prazo, desenvolvidas ainda na infância, como essas realizadas pelo Movica contribuem para o desenvolvimento e criação de uma consciência mais crítica e refinada quanto à alimentação saudável e hábitos de vida.

Box Movica jpg

Texto: Eder Spuri - bolsista Comunicação / UFLA
Edição do Vídeo: Luiz Felipe - Comunicação / UFLA 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.