Ir direto para menu de acessibilidade.
Pesquisa

Professora da UFLA participou no registro de produtos fitossanitários publicado pelo Ministério da Agricultura

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Quarta, 04 Agosto 2021 10:36 | Última Atualização: Quarta, 04 Agosto 2021 10:48 | Acessos: 760
Gentileza solicitar descrição da imagem
Larva de Chrysoperla externa predando pulgões

A professora Brígida Souza, do Departamento de Entomologia (DEN) da ESAL/UFLA, participou da revisão da Especificação de Referência 21 (ER 21), para o registro dos chamados produtos fitossanitários com uso aprovado para a agricultura orgânica.

A revisão foi republicada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no dia 21/7. De forma conjunta e voluntária com o Serviço de Especificações de Referência (SEER), a professora e pesquisadora contribuiu com sua experiência de quase 30 anos de trabalho com insetos do grupo dos crisopídeos, a colaboração da professora  Brígida aumentou consideravelmente a quantidade de alvos biológicos da ER 21.

O controle biológico é uma das ferramentas mais importantes no Manejo Integrado de Pragas (MIP). O objetivo desse método é controlar pragas por meio do uso de inimigos naturais, que são classificados em: macrobiológicos (insetos e ácaros), microbiológicos (fungos,bactérias e vírus).

Dentre os alvos biológicos incluídos, por sugestão da professora, merece destaque o pulgão Rhodobium porosum, conhecido como pulgão amarelo da roseira. De acordo com Brígida, esses insetos alimentam-se da seiva das plantas, o que causa a má formação dos brotos e a queda das folhas.

Outro dano às plantas, causado pelo pulgão amarelo da roseira, é sua excreção rica em água e açúcar, que propicia o desenvolvimento de fungos, levando à formação de um revestimento de cor escura, conhecido como fumagina.

Segundo a professora, a fumagina dificulta o processo de fotossíntese uma vez que ela reveste a superfície foliar, além de deixar o produto com má aparência, causando a perda do seu valor comercial.

Texto: Mathews de Oliveira Silva, bolsista Proat