Ir direto para menu de acessibilidade.
DIA MUNDIAL DO CAFÉ

Café resistente ao frio: pesquisa da UFLA utiliza selênio para blindar planta e proteger contra geadas e baixas temperaturas

Escrito por Comunicação UFLA | Publicado: Quinta, 14 Abril 2022 09:26 | Última Atualização: Quinta, 14 Abril 2022 09:26 | Acessos: 968

Com mercado em constante crescimento, alternativa propõe minimizar efeitos climáticos que prejudicam anualmente as lavouras e contribuir com a produtividade.

mudas de café

Uma das grandes preocupações dos cafeicultores, as geadas, responsáveis por grandes perdas de safra, têm sido a motivação para uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de Lavras (UFLA) em parceria com a Universidade da Califórnia em Davis (UC-Davis). Os pesquisadores têm testado o uso do selênio (Se), um elemento já utilizado em outras culturas como parte da biofortificação agronômica, que visa combater a deficiência nutricional em humanos, conhecida como fome oculta. No café, os estudos envolvendo o selênio ainda são incipientes.

O trabalho busca a melhor técnica de inserir o selênio na planta e faz parte da tese de doutorado do discente do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo (PPCS) Gustavo Ferreira de Sousa, intitulada “Effects of selenium supply on antioxidant system, plant growth, and tolerance to environmental stresses (Efeitos do fornecimento de selênio no sistema antioxidante, crescimento das plantas e tolerância a estresses ambientais) ”. Conforme explica o doutorando, as  plantas precisam de determinadas quantidades de água, luz e temperatura para se desenvolverem. Quando esses fatores ambientais estão em condições extremas, seja pela baixa ou alta quantidade (seca, geadas), ocorre um estresse na planta, o que desencadeia respostas fisiológicas, reduzindo o desenvolvimento e prejudicando a produtividade. “Entre as alternativas de combate a essas respostas fisiológicas negativas está a nutrição mineral. Inserimos determinados nutrientes ou elementos benéficos, que vão desempenhar funções específicas dentro da planta, e podemos manejar a concentração, a forma, e desenvolver técnicas que vão mitigar esses efeitos negativos do estresse”.

Confira a reportagem completa sobre essa e outras pesquisas no Portal Ciência UFLA.

Assunto(s): cafeicultura , café , selênio , geada , frio , cafezal