Ir direto para menu de acessibilidade.
COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

Equipe da UFLA realiza ações do projeto Cotton Victoria em países africanos

Escrito por Gláucia Mendes | Publicado: Quarta, 20 Março 2019 16:02 | Última Atualização: Quinta, 21 Março 2019 13:10 | Acessos: 818
Gentileza solicitar descrição da imagem

Dois professores e uma mestranda da Universidade Federal de Lavras (UFLA) cumprem, nos meses de março e abril, uma agenda de compromissos nos países africanos da Tanzânia e do Burundi. A visita técnica ocorre no marco do projeto “Cotton Victoria”, coordenado pela Universidade em parceria com a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE) e o Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), com a finalidade de transferir tecnologia em cultura do algodão para países africanos.

A UFLA é representada pelos professores Antonio Carlos Fraga, do Departamento de Agricultura (DAG), e Pedro Castro Neto, do Departamento de Engenharia (DEG). Também integra a missão a bacharel em Agronomia e mestranda do Programa de Pós-graduação em Entomologia Isadora Gomes Peres de Souza.

reuniao cotton victoria

Entre os dias 11 e 15/3, a equipe esteve na Tanzânia e participou de reuniões do comitê gestor. A abertura dos trabalhos contou com a presença do vice-ministro da Agricultura da Tanzânia, Innocent Lugha Bashungwa; do diretor em exercício do Conselho de Algodão da Tanzânia, Gabriel Mwalo; dos representantes do Ponto Focal do Quênia, Naomi Njeri Kamau, do Ponto Focal da Tanzânia, Everina Lukonge, e do Ponto Focal do Burundi, Callixte Nzobonimpa; do coordenador geral da agência ABC para África, Ásia e Oceania, Nelci Peres Caixeta; do embaixador brasileiro na Tanzânia, Antonio Augusto Martins; e do coordenador técnico do projeto pela UFLA, professor Pedro Castro Neto. Os trabalhos do do comitê foram presididos durante toda a semana pelo diretor em exercício do Conselho de Algodão da Tanzânia.

Na reunião de abertura dos trabalhos, o coordenador técnico do projeto transmitiu a mensagem de satisfação do reitor da UFLA, professor José Roberto Soares Scolforo, pela participação da Universidade no projeto. Em sua exposição, enfatizou que “o foco do projeto é o agricultor. Mas, como não é possível trabalhar com todos os agricultores de forma direta, as ações serão direcionadas aos técnicos dos países que, por sua vez, atuarão como agentes multiplicadores”.

Durante a estadia na Tanzânia, a delegação da UFLA realizou apresentações técnicas nas reuniões do comitê, visitou estações de pesquisa e plantações de produtores assistidos por técnicos treinados pelo projeto Cotton Victoria. Os técnicos demonstraram o progresso da produção após a implementação dos conhecimentos obtidos em treinamentos na UFLA.

De 18 a 22/3, a delegação da UFLA realiza ações no Burundi. No país, eles ministram um curso de uma semana sobre obtenção e avaliação de dados relacionados à cultura do algodão e sobre a influência dos principais fatores ambientais. Com a atividade, os docentes encerram a estadia na África.

A mestranda da UFLA permanece em missão até o dia 21/4, para realizar ações em campo com o objetivo de promover o manejo sustentável de pragas. A pesquisadora coletará dados in loco para traçar uma “radiografia” do controle de pragas para a cultura do algodão nos dois países africanos, identificando seus principais desafios e potenciais, bem como as semelhanças e diferenças em relação à realidade brasileira. Uma das atividades previstas é a identificação e a avaliação de novos inimigos naturais que possam ser utilizados em programas de controle biológico. “Por se tratar de uma região pouco explorada, a possibilidade de encontrar novas espécies é elevada”, afirma a pesquisadora.

Isadora também ministrará um curso sobre manejo integrado de pragas, com o propósito de contribuir para uma produção mais sustentável e a consequente redução de controles químicos. A mestranda dedica-se ao estudo do tema há quatro anos e possui experiência nacional e internacional nas áreas de controle biológico e cultura do algodão.

“As ações beneficiarão a todos. Para os produtores africanos, significará a transferência de tecnologias em uma área em que o Brasil está entre os líderes do mercado mundial. Para a UFLA, significará a geração de novos conhecimentos, a partir de uma nova realidade”, avalia o professor Antonio Carlos Fraga, integrante da equipe e orientador de Isadora no projeto Cotton Victoria.

Cooperação UFLA-África

Há cinco anos, a UFLA participa de ações de cooperação com países africanos para a transferência de tecnologia em cultura do algodão. Em 2014, a Universidade ofereceu, em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, a primeira capacitação em cultura do algodão, a 30 profissionais de quatro países da comunidade de Língua Portuguesa na África: Angola, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Em 2015, a cooperação foi intensificada com a formalização do "Projeto Regional para o Aperfeiçoamento de Técnicos Africanos em Cotonicultura", em parceria com o Ministério das Relações Exteriores. Desde então, passaram a ser oferecidos cursos teóricos e práticos anuais, com o objetivo de fortalecer as bases da cadeia produtiva do algodão e da agricultura familiar em países africanos. Ano passado, as ações de capacitação em cultura do algodão alcançaram a marca de mais de 100 profissionais africanos certificados.

Também no ano de 2015 foi assinado o projeto Cotton Victoria, com o objetivo de promover a cadeia produtiva e a melhoria da técnica da cultura do algodão nos países africanos. No final de 2017, uma delegação da UFLA composta por docentes e estudantes esteve na Tanzânia e no Burundi para realizar o treinamento de 44 profissionais na área de sustentabilidade da produção algodoeira.

 

Atenção! As notícias mais antigas (anteriores a Maio/2018) estão disponíveis em nosso repositório de notícias no endereço www.ufla.br/dcom.